3 de dezembro de 2015 às 12h57min - Por Mário Flávio

Ainda nesta manhã, Wagner rebateu Cunha, negou que Dilma tenha mentido sobre não aceitar barganha e acusou o presidente da Câmara de usar a “ameaça como prática”. “Quem mentiu foi o presidente da Câmara. [O deputado] André Moura não esteve com a presidente Dilma, esteve comigo”, afirmou. Wagner também sustentou a tese do governo de que o fato de Cunha ter aceitado o pedido de impeachment tem um lado bom, que é o de encerrar as “chantagens” do peemedebista..

“Acho ótimo que saímos da cochia [parte do teatro invisível para o público] e viemos para palco, o que acaba com qualquer chantagem”, disse o ministro, que também disse acreditar que Dilma Rousseff tem o apoio de seu vice Michel Temer, correligionário de Cunha.
“Temer tem uma trajetória longa de ser um democrata e um constitucionalista e não vê nenhum lastro para o impeachment. O fato de ele ser do PMDB não muda muito, Cunha já havia se declarado da oposição ao governo. Ele também já era, de certa forma, oposição ao Michel Temer”, afirmou.


Comentários



...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro