20 de abril de 2012 às 16h59min - Por Mário Flávio
Crédito: Johnny Pequeno/ BMF

Momento em que o prefeito se irrita com pergunta

No final da manhã desta sexta-feira, o prefeito Zé Queiroz (PDT) perdeu a paciência quando saía da Rádio Cultura do Nordeste, onde participou de entrevista no programa Mesa Redonda. Em torno de 30 grevistas estavam do lado de fora da emissora e esperavam o prefeito sair, um deles, identificado como Rogério, perguntou ao prefeito: “o senhor disse que atendeu as 13 reivindicações, mas nós ainda estamos aqui, por que o senhor não fala a verdade?”. Para o prefeito, isso foi um sinal de desrespeito e ele reagiu à indagação.

“Me respeite, não aceito nenhum desafio, quando dissemos que tínhamos uma mesa de negociação, ela fala pelo prefeito, e vocês sabem que eu sempre tentei ser amigos de vocês, por isso nunca me ouviram usar palavras para ferir vocês, a mesa está aberta, mas por favor, saiba tratar”, respondeu o prefeito.

Durante esse pequeno tumulto, ainda houve a denúncia, relatada por alguns grevistas, de que o motorista do prefeito teria chamado o manifestante Rogério de “negro safado”, e isso levou a alguns dos manifestantes a se reunirem, se dirigirem à sede do SISMUC, para preparar uma documentação com fotos e gravação do momento em que aconteceu a confusão, além de reunir testemunhas que confirmem a denúncia feita. Os grevistas prestarão queixa na polícia contra o motorista.

No contexto

Termina em aplauso conversa de grevistas com Zé Queiroz, mas solução só na mesa de negociação

Prefeitura quer desmentir grevistas e diz que cumpriu 13 das 14 reivindicações

VISÃO DO BLOG

Mas, no final das contas, o problema central não é o que um grevista disse, ou o que um motorista pode ter dito, ou mesmo o desrespeito sentido entre ambas as partes. O problema central é falta de diálogo, o desgaste, tanto da parte da prefeitura, quanto da parte dos próprios manifestantes. Quando não há consenso, é muito fácil que pessoas isoladas se manifestem de forma desrespeitosa em momentos inadequados, quando a negociação da greve deveria ser oficial e exclusivamente cuidada pelos representantes do Sismuc, que têm o amparo legal, acompanhado dos líderes do movimento, e com os interlocutores da prefeitura. Mas, comentários isolados, tanto de um lado quanto de outro, acabam gerando só mais desentendimentos.

Confira o momento em que o prefeito se irrita com pergunta de um dos grevistas, no entanto não é possível ouvir o motorista ofendendo o manifestante.

 

 


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro