20 de fevereiro de 2013 às 07h55min - Por Mário Flávio
Dr. Demóstenes quer ações emergenciais

Dr. Demóstenes garante que não existem erros no Projeto

Na sessão desta terça (19) na Câmara Municipal de Caruaru o líder do governo na Casa, Dr. Demóstenes (PSD), confirmou que o prefeito Zé Queiroz (PDT), vai sancionar a Lei que atualiza o PCC da Educação. Ele disse que o conteúdo do Projeto é constitucional e que não existem motivos para que o chefe do Executivo mude a redação do PCC.

O vereador garantiu que não existem irregularidades no conteúdo da redação e que espera pelo bom senso dos docentes. “Esse Projeto tem sido discutido faz um ano e meio, agora pode ser que algum setor não tenha debatido o mesmo a exaustão. A secretaria de Administração discutiu junto ao jurídico e aqui na Casa também, o que fazemos nesse momento é um apelo aos professores para que não tome essa posição de paralisação. Sei que não são todos que têm esse desejo, mas apelamos ao Sindicato, a prefeitura está aberta ao projeto, se houver algum vício de inconstitucionalidade, o que nós não entendemos que não existe”, disse.

O líder do governo garantiu ainda que o Projeto é benéfico para a categoria e disse que não existe nenhum documento com reivindicações dos professores. “O projeto corrige distorções do passado, não cabe essa alegação que alguns setores do sindicato foram ao secretário Antônio Ademildo entregar um documento, eles foram simplesmente pedir que o prefeito não sancione o Projeto e isso só não aconteceria se o mesmo fosse inconstitucional, mas essa hipótese não existe, o prefeito irá sancionar e estamos apelando para que os professores não entrem em greve de advertência, isso só acontece quando uma das partes não quer discutir e a prefeitura está aberta ao diálogo, mas não há erro no Projeto, que foi aprovado por unanimidade na Câmara, não há outra saída a não ser a sanção”, justificou.

Ele criticou os colegas que afirmam que não leram o Projeto e disse ainda que uma manhã é suficiente para ler, analisar e interpretar aos 49 artigos da Lei. “Eu li todos os 49 artigos do Projeto, o vereador tem que ler o Projeto, ter a intensidade sobre o mesmo. Temos que assegurar que o Projeto chegou a Câmara, mas se a Casa não entregou aos vereadores é outra história. Eu falo por mim, li e entendi, jamais votaria em qualquer situação na Câmara sem entender, fui assim nos últimos quatro anos e agora não vai ser diferente. Se qualquer vereador não leu o Projeto não cabe e nem ao governo analisar esse fato, mas garanto que li e o conteúdo é interessante para a categoria”, disse.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro