5 de fevereiro de 2021 às 13h08min - Por Mário Flávio
(Brasília – DF, 26/11/2020) Palavras do Presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Alan Santos/PR

Do Poder 360

Pesquisa PoderData mostra que 46% dos brasileiros acham que Jair Bolsonaro deve deixar a Presidência da República. A taxa teve alta de 5 pontos percentuais em relação ao último levantamento, feito há 6 meses (de 17 a 19 de agosto de 2020).

A proporção dos que acham que Bolsonaro deve continuar no cargo caiu 5 pontos percentuais no mesmo período. Passou de 52% para 47%.

Entre os que avaliam o trabalho de Bolsonaro como “ótimo” ou “bom”, 7% querem sua saída do cargo.

Já no grupo que vê o desempenho do presidente como “ruim” ou “péssimo”, 8% acham que ele deve permanecer na Presidência.

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, divisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação do levantamento é feita em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 1ª a 3 de fevereiro, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 519 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população.

O Brasil já atravessou 2 processos de impeachment. Ambos culminaram com a deposição do então chefe do Executivo. O último foi em 2016, quando a então presidente Dilma Rousseff (PT) perdeu o mandato por denúncias de pedaladas fiscais.

O pedido de impeachment de um presidente da República por crime de responsabilidade pode ser apresentado à Câmara por qualquer cidadão. Cabe ao novo presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), avaliar se o pedido cumpre os requisitos mínimos de autoria e materialidade previstos na Lei 1079/1950, que regula o processo de julgamento.

Uma vez aceita a denúncia, o presidente da Câmara comunica aos deputados em plenário, onde é feita a leitura da acusação, ato que marca o início da análise do pedido.

Bolsonaro tem sido alvo de pedidos de impeachment desde o início do mandato. Até esta 5ª feira (4.fev), haviam sido apresentados 68 pedidos contra o presidente, segundo a Secretaria Geral da Mesa Diretora da Câmara (saiba aqui quais são – 249 KB). Desses, ao menos 14 são relacionados à conduta do presidente durante a pandemia de coronavírus e 7 mencionam a suposta interferência de Bolsonaro na Polícia Federal. Há ainda acusações de apologia à tortura e ao racismo.

Até esta 5ª feira (4.fev.2021), um perfil no Twitter que monitora o posicionamento de congressistas nas redes sociais mostrava que 111 deputados são favoráveis e 79 são contrários ao impeachment. Leia mais detalhes aqui.

A abertura de um processo contra Bolsonaro neste momento, no entanto, é improvável. Antes de ser eleito, como presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL) afirmou considerar que a abertura de um processo contra o presidente poderia resultar em uma crise desnecessária. Cabe a ele definir se algum desses pedidos deve prosperar ou ser arquivado.

Quem mais quer o impeachment:

  • mulheres (50%);
  • pessoas de 16 a 24 anos (58%);
  • os que têm até o ensino superior (58%);
  • moradores da região Nordeste (59%);
  • quem recebe de 5 a 10 salários mínimos (64%).

Quem mais defende a continuidade de Bolsonaro na Presidência:

  • homens (56%);
  • pessoas de 25 a 44 anos (51%);
  • os que têm só o ensino médio (53%);
  • moradores da região Sul (73%);
  • quem recebe de 2 a 5 salários mínimos (52%).

PODERDATA

Leia mais sobre a pesquisa PoderData:

O conteúdo do PoderData pode ser lido nas redes sociais, onde são compartilhados os infográficos e as notícias. Siga os perfis da divisão de pesquisas do Poder360 no Twitter, no Facebook, no Instagram e no LinkedIn.

PESQUISAS MAIS FREQUENTES

PoderData é a única empresa de pesquisas no Brasil que vai a campo a cada 15 dias. Tem coletado um minucioso acervo de dados sobre como o brasileiro está reagindo à pandemia de coronavírus.

Num ambiente em que a política vive em tempo real por causa da força da internet e das redes sociais, a conjuntura muda com muita velocidade. No passado, na era analógica, já era recomendado fazer pesquisas com frequência para analisar a aprovação ou desaprovação de algum governo. Agora, no século 21, passou a ser vital a repetição regular de estudos de opinião.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro