8 de dezembro de 2020 às 08h26min - Por Mário Flávio
Presidente Jair Bolsonaro participa da cerimônia da campanha Mulheres Rurais, Mulheres com Direitos. Sergio Lima/Poder360 29.07.2020

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta 2ª feira (7.dez.2020) que o governo brasileiro vai ofertar a vacina contra covid-19 para toda a população “de forma gratuita e não obrigatória“. A declaração foi feita nas páginas oficiais do presidente nas redes sociais no mesmo dia em que o governo de São Paulo divulgou que espera começar a vacinação no Estado em janeiro de 2021.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), é desafeto político de Bolsonaro. O tucano é cotado como possível candidato à Presidência, em 2022, quando o atual mandatário tentará concorrer à reeleição. Ambos já divergiram em outras ocasiões a respeito da vacina.

Bolsonaro disse que “segundo o Ministério da Economia não faltarão recursos para que todos sejam atendidos“. O presidente publicou uma foto em que aparece ao lado do ministro Paulo Guedes (Economia) e do advogado-geral da União, José Levi.

Leia a íntegra da mensagem publicada pelo presidente Jair Bolsonaro no Facebook:

– Em havendo certificação da ANVISA (orientações científicas e os preceitos legais) o governo brasileiro ofertará a vacina a toda a população de forma gratuita e não obrigatória.

– Segundo o Ministério da Economia não faltarão recursos para que todos sejam atendidos.

– Saúde e Economia de mãos dadas pela vida.

O governo de São Paulo, por meio do Instituto Butantan, produz uma vacina em parceria com a farmacêutica chinêsa Sinovac. Alinhado aos interesses norte-americanos, Bolsonaro já criticou o imunizante da China, estimulando seguidores políticos a não usarem a vacina a ser produzida nos laboratórios paulistas. Por trás da disputa das vacinas também está a corrida eleitoral de 2022.

VACINAÇÃO NO BRASIL

O Ministério da Saúde divulgou em 1º de dezembro um documento em que apresenta, sem informar datas, o plano preliminar de vacinação contra a covid-19 no Brasil. Leia a íntegra do comunicado do Ministério da Saúde (557 KB).

Na 1ª fase serão imunizados trabalhadores da saúde, população idosa com mais de 75 anos, pessoas com 60 anos ou mais que vivem em asilos ou instituições psiquiátricas, e população indígena.

Na 2ª fase do plano entram pessoas de 60 a 74 anos.

A 3ª prioriza pessoas com comorbidades que apresentam maior chance para agravamento da doença, como as que têm doenças renais crônicas e cardiovasculares.

Segundo a pasta, a 4ª fase deve abranger professores, forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional e detentos.

O governo federal tem acordo com a AstraZeneca para aquisição de 100 milhões de doses da vacina desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford. O acordo prevê também a transferência de tecnologia para a produção do imunizante pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz). Até o momento, o Ministério da Saúde não assinou contrato para compra de nenhuma outra vacina.

O Instituto Butantan deve começar nesta 2ª feira (7.dez) a produção da CoronaVac, desenvolvida pela Sinovac.

São Paulo recebeu, na última 5ª feira (3.dez), um lote de 600 litros de matéria-prima para a fabricação do imunizante. Segundo o governador João Doria (PSDB), os insumos serão suficientes para a produção de 1 milhão de doses da CoronaVac.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro