8 de fevereiro de 2013 às 13h55min - Por Mário Flávio

Fernando Pergentino em Sairé

Na última quarta-feira (06) o Prefeito do Município de Sairé, Fernando Pergentino (PSB), realizou uma audiência pública na Praça São Miguel em frente à prefeitura. Na oportunidade Fernando divulgou a catastrófica situação financeira e de desmandos com o patrimônio público do município, que a antiga administração entregou ao grupo de Fernando Pergentino.

A audiência serviu pra pedir calma aos saireenses e para mais uma vez falar da tal herança maldita na transição de governo no município. A comissão financeira da prefeitura avaliou a real situação das finanças do município explicou os seguintes débitos: aproximadamente R$20.000.000,00 ao INSS, R$ 54.000,00 à COMPESA, dos quais, R$ 12.000,00  referentes à Unidade Mista Olília Mendonça Solto Maior e R$ 9.000,00 referentes ao cemitério, R$ 50.000,00 à CELPE, R$ 2.400,00 à Telemar e R$ 15.600,00 à Cooperativa dos Catadores Profissionais de Sairé.

Além disso, também foram explicados os descontos no Fundo de Participação dos Municípios (FPM). R$ 102.000,00 são pagos mensalmente provenientes de débitos junto à Receita Federal do Brasil. Esta parcela foi negociada na última semana da administração anterior, mais precisamente no dia 28 de dezembro de 2012. Com esse valor o prefeito Fernando Pergentino poderia pagar salário mínimo a cento e cinquenta novos servidores do município. Outros R$ 23.500,00 pagos mensalmente através de carnê de um parcelamento junto ao INSS.

Quanto ao patrimônio público, a nova gestão informa que recebeu da administração passada imóveis, veículos e demais patrimônios em estado degradante. Segundo a prefeitura, foram encontradas macas enferrujadas, colchões rasgados, lençóis em falta, carros sem motor. Nas escolas, cadeiras e birôs quebrados, portas arrombadas e geladeira com alimentos podres. No matadouro público foram encontradas carcaças de animais jogada ao ar livre e um mau cheiro forte, sangue e restos de animais expostos a céu aberto, além de equipamento de trabalho dos funcionários armazenados de forma inadequada.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro