4 de março de 2013 às 10h25min - Por Mário Flávio

Dr. Demóstenes - FOTO - VLADIMIR BARRETO (1)

O vereador e líder do governo na Câmara de Caruaru, Dr. Demóstenes (PSD), esteve presente na reunião da Mesa de Negociação do PCC. Na ocasião, ele recebeu em mãos dos professores a nota de repúdio. Surpreso e mostrando certa irritação, o pessedista comentou a iniciativa dos docentes.

Ele disse que não entende os motivos do repúdio e enumerou diversas ações para mostrar que tem afinidade com o tema. “Recebi essa nota de repúdio com muita tristeza. Quem faz o que eu fiz pela educação não pode ser considerado inimigo. No mandato de quatro anos eu discuti a questão da escolha da gestão democrática para a gestão nas escolas, a criação do décimo quarto salário para o professor da escola que atingir ao nível do IDEB, pedi ainda colocação nas escolas da cidade e zona rural da biblioteca irinerante e a descentralização do cursinho popular Edilson de Góis, como eu posso ser inimigo da educação?”, indagou.

Ele disse ainda que aceita a entrega dos professores, mas repudia o repúdio. “Vejo com muita tristeza a isso, mas de uma forma democrática eu aceito a nota entregue pelos professores, mas repudio, o que querem com isso é dizer que seria eu o único possível inimigo da educação e porque não esse repúdio aos outros vereadores ou a quem fez o PCC? Fiquei surpreso, acho que críticas devem ser feitas, mas o que não tolero é que o limite seja extrapolado. Aceito o repúdio a mim, mas dizer que sou inimigo da educação, não. Os meus atos na Câmara mostram o contrário, até mesmo por respeito aos professores, minha mãe e meu pai foram professores e tenho um carinho muito grandes pelos docentes. Mas tenho certeza que daqui a alguns dias, iremos rir dessa situação e reconhecer que os limites foram extrapolados”, desabafou.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro