28 de novembro de 2012 às 11h25min - Por Mário Flávio

A apresentação do projeto de lei de reajuste salarial para prefeito, vice, secretários e vereadores em Caruaru foi adiada na sessão dessa terça-feira (27), para analisar o que os edis chamaram de disparidades nos valores dessa “reordenação”, já que eles chegaram a considerar que os valores podem aumentar um pouco mais. No entanto, uma breve comparação entre os vencimentos de políticos em Pernambuco e de outros estados pode servir para analisar o impacto de um reajuste financeiro nos vencimentos do prefeito, vice, vereadores e secretários de Caruaru, proposto pela Mesa Diretora da Câmara Municipal, isso sem contar descontos ou auxílios de despesas, ou seja, apenas o valor bruto.

Tomemos como exemplo o que se propõe de reajuste para o prefeito e vereadores. Pelo projeto, o salário do prefeito Zé Queiroz (PDT) teria um aumento de R$ 16 mil para R$ 23 mil. Em uma comparação mais direta, o prefeito de Recife, João da Costa (PT), atualmente ganha R$ 14.635, menos que Queiroz, e ele não reajustou a remuneração dele nesses 4 anos, já que ele tinha direito a aumentar o salário para R$ 19.200. Em uma escala de comparação maior, uma diferença mais significativa fica para as remunerações do governador e do vice-governador, os quais têm um vencimento de R$ 9,6 mil cada, ou seja, pouco mais da metade do que o prefeito recebe atualmente.

No entanto, em Campina Grande, na Paraíba, uma cidade de porte similar ao de Caruaru, o reajuste para prefeito e vereadores, aprovado nesta terça, está no mesmo patamar do que se pretende implantar na Capital do Agreste. Lá, de acordo com projeto de lei aprovado este ano, o subsídio do poder executivo municipal pulará de R$ 11.146 mil para R$ 20.042 mil. Já no que se refere aos vereadores, o projeto de Caruaru prevê que o salário dos edis passe de R$ 9 mil para R$ 11,3 mil. Em Campina Grande não há muita diferença em relação a isso, pois a remuneração dos vereadores vai passar de R$ 7.430,39 para R$ 12.025,25, a partir de janeiro de 2013.

Já em Recife, capital pernambucana, os vereadores passarão a ganhar R$ 15.031,76; depois de um reajuste polêmico no primeiro semestre de 2012, de 62%. Em uma instância maior, os deputados estaduais tem um vencimento bruto de R$ 12.300, ou seja, uma diferença de apenas R$ 1.000 em relação ao que pretende o projeto caruaruense. Ou ainda, se a comparação for feita com o salário mínimo brasileiro que entrará em vigor a partir de 2013, o que é um comparativo de realidade mais próximo da realidade de uma grande parte da população, será possível identificar que a remuneração proposta para prefeito, inicialmente de R$ 20 mil, representaria 29 vezes um salário mínimo, enquanto a proposta de reajuste para vereadores e secretários, que corresponde a R$ 11 mil, representaria 16 vezes esse valor.

Parece uma grande elevação, mas o presidente da Câmara, Lícius Cavalcanti (PCdoB), garantiu que, ao somar o número de vereadores, secretários e gestor, os valores dos salários não representariam prejuízos para o município e que isso indicaria “mais disposição” dessas figuras políticas para investir no desenvolvimento da cidade.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro