29 de agosto de 2013 às 07h55min - Por Mário Flávio

Pela terceira vez em menos de um ano a base governista se desentende na Câmara de Caruaru e a oposição consegue vitória. Dessa vez foi o Projeto de Lei para criar o Dia Minicipal de Luta da Educação. De autoria do vereador Jajá (PPS), o PL tinha como foco o dia 31 de janeiro, data em que foi votado o polêmico PCCDR da categoria, que desde então gera desgaste entre professores e aliados do prefeito Zé Queiroz (PDT). Uma emenda colocada no projeto pedia a mudança da data para 16 de julho, dia em que foi instituído o piso nacional da categoria.

A ação foi encabeçada pelo vereador Marcelo Gomes (PSB), que preside a Comissão de Leis da Câmara. Ele esperava contar com os votos dos governistas, mas foi derrotado com quatro aliados. Votaram contra a emenda: Gilberto de Dora (PSB) e os vereadores Val das Rendeiras, Sivaldo Olineira (PP), Heleno do Inocoop e Jadiel Nascimento, todos do PRTB. E pelo discursos dos edis, mostra mais uma vez, que faltou articular com a base e expor a crise entre base e Executivo.

“Acredito que, de certa forma, se o dia 31 de janeiro ficou marcado negativamente pelos professores, mesmo que eu entenda que não, mas se os professores entendem e sofrem com essa situação, aquela data ficou como um marco negativo para a categoria e por isso, decidi votar pelo projeto original”, disse Jadiel Nascimento.

Outro governista que votou contra a emenda foi Gilberto de Dora (PSB). Ele explicou o motivo. “Seja qual for a data, o importante é lutar pela educação. Se os professores querem que seja o dia 31 de janeiro, por que não pode ser?” indagou o parlamentar.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro