22 de dezembro de 2011 às 10h05min - Por Mário Flávio

A festa de confraternização de ontem a noite promovida pelo governador em exercício, João Lyra e pela secretária da Infância e Juventude, Raquel Lyra, mostrou mais uma vez que a distância entre Lyra e o prefeito Zé Queiroz cada dia é maior. O Chefe do Executivo municipal não foi ao evento e sequer mandou representante. Ós únicos representantes do primeiro escalão eram o presidente da Fundação de Cultura e Turismo, José Pereira, aliado histórico de João Lyra e da cota dele no atual governo e o secretário de Administração e Gestão de Pessoas, Antônio Ademildo.

No seu discurso para agradecer a presença das pessoas, Lyra fez um balanço das ações em 2011. Encheu a bola de Eduardo Campos e da presidenta Dilma, mas em nenhum momento mencionou o governo municipal. Na entrevista coletiva, João Lyra, ainda expôs que existem problemas de centralização no PDT e de relacionamento entre Zé Queiroz e os vereadores. “Se uma liderança tem todos esses tipos de problemas, tem que reavaliar a sua postura e precisa rever a sua forma de agir”, disparou o governador em exercício.

Pessoas próximas a Queiroz garantiram que o Chefe do Executivo não tinha o que fazer por lá. “Você queria o quê? Faz pelo menos um mês que só recebemos ataques de João Lyra, então não tínhamos motivos algum para comparecer lá. Quem tem um aliado desses…”, disse a fonte, que pediu reserva. Pelo jeito só mesmo com a intervenção de Eduardo Campos, para que a situação em Caruaru se acalme e as duas lideranças sentem a mesa para dialogar. Por enquanto, nada de conversa.

Durante o discurso, João Lyra, não citou Zé Queiroz. Imagem: Wagner Gil/Jornal Vanguarda


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro