17 de fevereiro de 2017 às 18h19min - Por Mário Flávio

NOTA OFICIAL 

O governo de Pernambuco anunciou, na manha desta sexta-feira (17), o afastamento do Chefe da Polícia Civil, delegado Antônio Barros, e do Comandante da Polícia Militar, coronel Carlos D’Albuquerque, dos cargos que ocupavam. Obviamente a medida é uma tentativa de dar resposta à sociedade pernambucana, cada vez mais acuada pela violência que bate recorde e supera números de países em guerra. Contudo, se não forem realizados investimentos que garantam efetivo suficiente e condições mínimas de trabalho às forças policiais, será impossível conter essa onda de criminalidade.
A Polícia Civil, por exemplo, responsável por investigar os crimes cometidos, tem trabalhado com apenas 50% do efetivo que seria necessário para atender dignamente a população, o mesmo quadro quantitativo de 30 anos atrás.

Como se a realidade não fosse tragicamente suficiente, faltam coletes à prova de balas, armamento, viaturas, gasolina para empreender diligências, papel para imprimir boletins de ocorrência e até mesmo limpeza nas delegacias, já que os funcionários terceirizados responsáveis pelos serviços gerais das unidades não recebem salário há 7 (sete) meses. Além disso, muito desses locais estão com estruturas comprometidas.
Temos alertado há cerca de dois anos, enquanto entidade sindical representante dos Policiais Civis de Pernambuco, que o Pacto Pela Vida precisava ser revisto, que se fazia necessário voltar às origens. Não por coincidência, o período de maior sucesso na obtenção de resultados com o programa foi justamente durante seu início, quando as Polícias receberam reforço de efetivo e estrutura para agirem.

 Precisamos, na verdade, de vontade para que o problema da violência seja resolvido aqui. Não tem segredo, a política de segurança pública neste estado deu certo enquanto houve investimento na área. Não adianta trocar o comando quando toda a estrutura está sucateada. Repito, só com investimentos que garantam reforço de efetivo e condições mínimas de trabalho conseguiremos reverter a situação caótica em que se encontra a segurança pública do estado.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro