1 de julho de 2015 às 13h38min - Por Mário Flávio

Diante da situação que passa o Hospital Jesus Nazareno – Fusam o Simepe apresentou denúncia ao Cremepe e Ministério Publico no sentido de proteção às gestantes, recém nascidos e aos médicos que prestam serviço na unidade. “Diante dessa situação no dia 17 de junho de 2015 ocorreu reunião onde na presença de funcionários do hospital , Cremepe, Simepe, representantes da secretaria e o MP, foi acordado nomeação imediata de um diretor o que não ocorreu, o que nos deixa infelizmente diante de iminente risco de interdição ética devido ao risco de vida para as gestantes e recém nascidos e do exercício digno a atividade medica”, postou o médico Paulo Maciel.

1- Um hospital não tem como funcionar sem direção geral e técnica (médico) e com escala de médicos plantonistas precária como está ocorrendo no Hospital Jesus Nazareno.

Foi recomendado pelo MP à secretaria estadual de saúde que precisaria nomear de imediato ao menos um diretor geral, o que não ocorreu até o momento, e se o diretor da IV GERES está assumindo burocraticamente, não está dirigindo na prática, pois muitas situações graves como a restrição de plantão ou fechamento de plantão por superlotação precisa do parecer imediato da direção, mas os telefones da secretaria estadual de saúde não mais atendem aos médicos plantonistas, ao Cremepe ou ao Simepe.

2- Desobediência às recomendações imediatas do Ministério Público quanto a nomeção de um diretor, pagamentos de remuneração médica atrasados, não melhoria no quantitativo de médicos e enfermeiros na escala de plantão.

3- Análise criteriosa pelo Simepe da necessidade de pedir interdição ética do hospital Jesus Nazareno pela desorganização de funcionamento acéfalo do hospital com possível risco às gestantes e ao corpo clínico, amontoamento de gestantes, recém nascidos e acompanhantes em efermarias, prejudicando o atendimento e aumentando sobremaneira o risco de infecção hospitalar e mortes maternoinfantil.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro