14 de maio de 2015 às 08h55min - Por Mário Flávio

O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) criticou, na tarde desta quarta-feira (13/5),  o documento do ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE), Mangabeira Unger, sobre como o governo pretende honrar o lema “Pátria Educadora”. 

“É um documento sem ambição e ao mesmo tempo sem substância. Não diz quanto vai custar e de onde virão os recursos (…). Fala no pré-sal como a salvação da Pátria Educadora. Mostra que o autor do documento não conhece a realidade”, disse Cristovam, em discurso no Plenário do Senado. 

Intitulado ”Pátria Educadora: a qualificação do ensino básico como obra de construção nacional”, o documento da SAE vem sendo objeto de discussão desde fins de abril, quando foi divulgado pelo governo. 

O senador também viu, por outro lado, pontos positivos no documento. “Apesar disso, tem algumas coisas positivas, como é o fato de reconhecer que precisamos ter um papel maior do governo federal na realização da educação. É a citação, pela primeira vez, de que é preciso alguma forma de federalização (…)”, disse o senador pedetista, autor da Proposta de Emenda Constitucional que aumenta as responsabilidades da União no financiamento da educação básica, conhecida como PEC da Federalização.

“Outra das boas coisas do documento é a antiga ideia da carreira nacional, a formação de gestores escolares, a criação de escolas para gestores, a adoção de um conjunto de escolas de referência “, acrescentou Cristovam.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro