10 de outubro de 2017 às 05h27min - Por Mário Flávio

Temer

Se a votação na Comissão de Constituição e Justiça fosse hoje, o governo teria menos votos pró-Temer do que na análise da primeira denúncia, mas o suficiente para derrubar novamente um processo contra o presidente Michel Temer. A reportagem da CBN apurou que governistas avaliam ter até agora, pelo menos, 37 votos garantidos. Para a oposição, restariam apenas 27 votos.

Na votação da denúncia anterior, Temer alcançou 41votos favoráveis. A estimativa de agora leva em consideração a posição de dois partidos: o PSDB, que continua em ebulição, e o PSB, cuja a direção partidária determinou voto contra Temer ou a mudança de 2 dos 4 integrantes do partido que estão na comissão. Para não parecer um troca-troca contra Temer, deputados do PSB que votariam a favor do presidente avaliam se ausentar para que os suplentes, que vão votar de acordo com a orientação do partido, assumam o lugar.

O deputado Julio Delgado explica que quem votar a favor do presidente estará fora do partido:

“Se a líder (do PSB na Câmara, Tereza Cristina) pedir para os dois (titulares) não votarem, os dois (suplentes) votam conosco. Se ela não mudar, pela decisão da Executiva do partido, os titulares vão ser expulsos (se votarem contra Temer)”.

No ninho tucano, há dúvidas. O partido demonstrou que está insatisfeito quando, na semana passada, tirou o relator da vaga do partido na comissão. Na votação da primeira denúncia, cinco dos sete integrantes do PSDB votaram contra Temer.

O vice-líder do governo na Câmara, Beto Mansur, diz acreditar na consciência de cada um: “Pode ser que o PSDB vote conosco ou somente alguns parlamentares, difícil de a gente analisar assim… Mas eu acho que haverá número suficiente (para barrar a denúncia)”

O relator Bonifácio de Andrada, do PSDB, anunciou vai entregar o parecer na terça-feira. A leitura deve ficar para quarta-feira. Mas a votação da denúncia na CCJ está prevista na semana que vem.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro