5 de setembro de 2017 às 07h44min - Por Mário Flávio

A turbulência política pela qual passa o país, desde 2013, quando tiveram início as primeiras grandes manifestações de rua, parece não ter fim. Em 2014 tivemos uma das eleições presidenciais mais polarizadas da história. No ano seguinte, 2015, a operação Lava Jato ganhou força e atingiu dezenas de políticos de renome. Revelado o lamaçal de corrupção na Petrobras, praticamente todos os partidos foram atingidos. Em 2016, um impeachment derrubou a então presidente Dilma Rousseff, pondo fim a 13 anos de governos petistas.

Já com um ano a frente do Palácio do Planalto, Michel Temer tem a missão de tentar pacificar o país. Diante de toda essa confusão, o assunto que toma conta de quase todas as discussões políticas, não poderia ser outro, as eleições presidenciais de 2018.

Faltando pouco mais de um ano para o pleito, as especulações sobre os possíveis cenários não param. Pré-candidatos já se apresentam, tanto no espectro da esquerda, como da direita. No entanto, segundo o cientista político Valdir Pucci, da Universidade de Brasília (UnB), mesmo com o início das movimentações, ainda é impossível prever a disputa de 2018. Ele explica.

“Eu acho que, hoje, o que nós temos é justamente um cenário de total descrédito da sociedade com a classe política, como um todo. Não necessariamente contra o governo Temer, ou contra um determinado partido, mas de forma generalizada. E esse sentimento já está embaralhando o cenário para 2018. A Ciência Política entende muito claramente que o cenário de 2018, ele é uma incógnita, seja para um discurso a esquerda ou a direita, até mesmo se alguém terá o apoio do governo”.

O descrédito da população com a classe política pode fazer com que o cenário de 2018 seja muito parecido com o vivido pela França, nas eleições deste ano, avalia o cientista político. O país europeu elegeu um candidato, que em 2016, era praticamente desconhecido do público. Emmanuel Macron fundou o movimento político, o En Marche! (Em Marcha), afirmando que o partido não era nem de esquerda nem de direita. O discurso com tom moderado desbancou os tradicionais partidos Socialista e Republicanos, além de derrotar a extrema direita, no segundo turno.

“O cenário Francês, das últimas eleições presidenciais francesas, ele é muito próximo daquilo que a gente pode ver em 2018 no Brasil. Ou, seja, o surgimento de um novo partido, não de partidos velhos, com novos nomes, mas, sim, o surgimento de um novo partido, com uma pessoa que represente essas novas idéias e que ela possa, sim, agregar esse descrédito da sociedade e apresentar-se com uma nova forma de fazer política no país. Então, a grande tendência é que a gente tenha um outsider vindo por fora, e tenha grandes chances de vencer as eleições”.

O Democratas, tradicional partido de centro-direita, têm tentado se desvincular desse rótulo. De acordo com o colunista Lauro Jardim, do jornal ‘O Globo’, a sigla deve mudar o nome para ‘Centro’. Resta saber se o partido conseguirá se descolar da própria história, de antigo PFL e PDS.

De acordo com a última pesquisa divulgada pelo Instituto Datafolha, em junho, a corrida ao Planalto segue sendo liderada por Lula, com 30% dos votos, seguido por Jair Bolsonaro e Marina Silva, com 16% e 15%, respectivamente. As especulações de nomes outsiders giram, por enquanto, em torno do apresentador de televisão, Luciano Huck, do ex-ministro do STF, Joaquim Barbosa e do atual prefeito de São Paulo, João Doria, que mesmo estando na política, foi eleito em 2016, com um discurso antipolítico.

Com informações de Joao Paulo Machado 


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro