5 de setembro de 2017 às 07h53min - Por Mário Flávio

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, determinou a abertura de investigação para apurar indícios de omissão de informações de práticas de crimes no acordo de delação premiada feito pelos executivos do grupo J&F, controlador do frigorífico JBS/Friboi.

A informação foi divulgada, nesta segunda-feira (4) através de um pronunciamento convocado as pressas pela Procuradoria Geral. De acordo com Janot, os investigadores obtiveram na quinta-feira (31) da última semana, novas gravações de áudio, que segundo o procurador geral tem conteúdo “gravíssimo”. A análise da gravação revelou diálogo entre dois colaboradores com referências indevidas à PGR e ao Supremo Tribunal Federal. Diante desse novo cenário, Rodrigo Janot afirmou que a delação dos executivos da JBS pode, inclusive, ser cancelada.

“Se ficar provada qualquer ilicitude, o acordo de colaboração premiada será ser rescindido, poderá chegar até a rescisão. A eventual rescisão não invalida, repito, não invalida as provas até então oferecidas”

Janot disse, que conforme a Lei que disciplina a delação premiada, se a culpa do colaborador ensejar a rescisão do acordo, ele perde todos ou alguns dos benefícios, mas o Estado pode aproveitar e utilizar todas as provas em processos.

Na gravação obtida pela PGR há relato de conduta, em tese, criminosa por parte do ex-procurador da República Marcelo Müller, que foi auxiliar próximo de Rodrigo Janot, durante três anos.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro