29 de maio de 2013 às 07h25min - Por Mário Flávio
Ranilson Enfermeiro foi o autor do requerimento para a realização da Audiência Pública

Ranilson Enfermeiro foi o autor do requerimento para a realização da Audiência Pública

Os vereadores caruaruenses repercutiram os resultados da Audiência Pública sobre a Saúde Pública em Caruaru durante a reunião da Câmara nessa terça -feira (28). Autor da solicitação do encontro que reuniu representantes do Simepe, Cremepe, Sociedade de Medicina e Secretaria de Saúde de Caruaru, Ranilson Enfermeiro (PTB) agradeceu a participação de todos que se fizeram presentes e elogiou as explicações da secretária municipal, Aparecida Souza, que apontou dificuldades no envio de repasses do governo federal como um dos principais problemas para gerir a Saúde no município.

No contexto

Em Audiência Pública, Aparecida Souza critica denuncismo e diz que falta de recursos limita Rede de Saúde de Caruaru

Diretor do HRA aponta superlotação como principal problema na unidade

Em Audiência, médicos cobram melhorias na Saúde de Caruaru

“Cada um de nós reunidos nessa Casa, pode mudar alguma coisa. Surtiu efeito essa audiência? Com certeza, pois esclareceu as dificuldades de alguns companheiros. A exemplo da situação das cirurgias eletivas da Casa de Saúde Bom Jesus. Na audiência, a secretária explicou que o processo de licitação já tinha sido concluído para compra de material para essas cirurgias e que no próximo dia 3 de junho, a Casa de Saúde estaria aberta para esses procedimentos. Nós podemos avisar o povo agora. Se vai ser cumprido ou não, pelo menos é uma promessa da secretária. Além disso, houve a explicação do atraso no repasse do Ministério da Saúde para Caruaru. É muito fácil ver o que está dando errado nessa área, mas por que não chamar os profissionais responsáveis para esclarecer sobre as questões referentes às carências da Saúde. Fiquei muito feliz pela audiência pública realizada nessa Casa”, argumento o vereador.

No entanto, o líder da oposição, Val (DEM), não se demonstrou satisfeito com as explicações de Aparecida e disse que os mais de 40 minutos de discurso da secretária durante a audiência não foram suficientes para explicar os motivos de várias deficiência na rede de atendimento de Caruaru. “A Saúde de Caruaru, nos últimos 3 anos, foi uma das coisas mais absurdas que Caruaru já viu. Eu lembro que o vice-governador João Lyra Neto, secretário estadual de saúde na época, levou mais de dois anos para conseguir marcar com o prefeito para discutir a saúde na cidade. O prefeito dizia ao João que quando fosse a hora certa, iria chamar para conversar. No entanto,  a imagem da saúde no município era da pior qualidade. Quando começou o guia eleitoral no ano passado, foi mostrado que havia mais de 300 médicos atendendo a população. Passam as eleições, a situação da saúde vai se agravando. A comissão foi importante, mas a secretária não respondeu as perguntas sobre por que faltam medicamentos, por que a UTI está fechada, por que os médicos não recebem décimo. Ela faz uma explanação e conta uma história e inclusive trouxe uma plateia formada por funcionários da prefeitura para aplaudi-la e vaiar os vereadores da oposição”, criticou.

Em nota enviada ainda na semana passada, a Secretaria de Saúde municipal enviou nota em que explicava que, apesar de reconhecer a existência de dificuldades na área da saúde, causadas especialmente pela obrigação de atendimento sem o financiamento compatível com essa tarefa e pelo aumento considerável dos custos com saúde, haveria avanços conquistados que se referem ao 1º trimestre de 2013, principalmente na atenção básica, atendimento odontológico, consultas especializadas, assistência pré-hospitalar e serviços prestados na Casa de Saúde Bom Jesus, Hospital do Coração e Hospital Manoel Afonso.

 


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro