27 de fevereiro de 2014 às 19h18min - Por Mário Flávio

20140227-191811.jpg

Em greve desde a última segunda-feira (24) os professores estiveram reunidos em assembleia na tarde desta quinta-feira (27), para avaliar como anda a adesão dos docentes ao movimento paredista durante esta primeira semana de paralisação. O presidente do Sismuc, Eduardo Mendonça, informou que não houve avanço nas negociações com o Executivo, apenas que na última segunda-feira, logo após a passeata, o Secretário de Administração Antônio Ademildo, chamou o grupo de professores que lideram o movimento, para tentar reabrir a mesa de negociação.

“Enquanto não tivermos uma resposta positiva por parte do Executivo Municipal, nós não abdicaremos dos nossos direitos e continuaremos de braços cruzados”, declarou Mendonça. Os educadores ainda tomaram conhecimento de que o município contratou um projeto pedagógico denominado de SEFE – (Sistema Educacional Família e Escola) pelo valor de R$ 8 milhões, o qual é similar ao projeto Alfa e Beto em que todos os educadores atestaram como livro sofrível. “Precisamos investigar e coibir a gestão municipal, proibindo a prática deste livro na rede pública de ensino de Caruaru, pois o mesmo é considerado por doutores em educação como de conteúdo questionável”, informou Eduardo Mendonça.

Logo após a assembleia, os profissionais da educação mais uma vez tomaram as principais ruas do Centro de Caruaru em nova Marcha Pela Educação. “Estamos protestando contra a má condição de trabalho e a falta de sensibilidade e respeito que a gestão municipal vem tendo com o sistema educacional da cidade”, disse Mendonça.

Lembrando que a próxima assembleia da categoria está marcada para a tarde da próxima terça-feira (11).


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro