10 de fevereiro de 2014 às 14h53min - Por Mário Flávio

No alto sertão da Paraíba, o perímetro irrigado de Várzea de Sousa se destaca na produção de orgânicos com certificados. A iniciativa foi do agricultor Edinaldo Nascimento, que preocupado com a saúde da família, mudou a plantação convencional e passou a produzir orgânicos.

“Eu nasci na agricultura, nunca fiz outra atividade. Sempre acompanhei os males dos agrotóxicos na vida dos meus amigos produtores. Decidi mudar esse quadro e fiz um curso na área de orgânico. Comecei a plantar no perímetro em 2006 e hoje tudo mudou. A renda familiar aumentou, assim como a minha qualidade de vida e também da minha família. Antigamente eu tinha um lote e andava de bicicleta. Hoje eu tenho carros, motos, pessoas que me ajudam e uma parceria com uma empresa que distribui meus produtos para a capital do Estado”, comemora.

Além do clima ideal para o plantio de hortaliças, frutas e legumes, outro diferencial do perímetro para a produção de orgânicos é o solo fértil, aliado à tecnologia de irrigação localizada. A produção de goiaba, coco, manga, banana e hortaliças atinge cinco toneladas por mês nos cinco hectares do irrigante. “Nós abastecemos o mercado local e também a região. Acreditamos que hoje as pessoas procuram alimentos de boa qualidade e é o que produzimos aqui no perímetro. E isso só foi possível por causa da parceria com o Ministério da Integração, que nos enviou um técnico em orgânicos para nos dar assistência”, afirma.

Situado entre os municípios de Sousa e Aparecida, o Várzea de Sousa é fruto da parceria do Ministério da Integração, por meio da Secretaria Nacional de Irrigação (Senir) com o Estado da Paraíba. Com uma área irrigável de 4.391 hectares, o perímetro gera cerca de 11 mil empregos diretos e indiretos.

Miguel Ivan, secretário nacional de Irrigação, explica que o objetivo da parceria é impulsionar a agricultura local. “Com certeza temos experiências como a do senhor Edinaldo espalhados pelo Brasil. A irrigação é para pessoas, sempre faço questão de repetir isso, porque precisamos oferecer meios de qualificação para nossos agricultores familiares poderem investir em suas terras e trabalhar com diferentes cultivos”, enfatiza o secretário.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro