26 de junho de 2017 às 06h56min - Por Mário Flávio

Temer

Pesquisa do instituto Datafolha divulgada pelo jornal “Folha de São Paulo” revela que apenas 7% dos brasileiros aprovam o governo do presidente Michel Temer, considerando-o “ótimo” ou “bom”.

Segundo o instituto, que é o mais acreditado do Brasil porque não trabalha para partidos nem para candidatos, este é o menor percentual de aprovação obtido por um presidente nos últimos 28 anos.

Apenas José Sarney ficou abaixo desse patamar (5%), em setembro de 1989, quando o Brasil atravessa um período de hiperinflação.

De acordo ainda com o Datafolha, o governo Temer é considerado “ruim” ou “péssimo” por 69% dos eleitores e “regular” por 23%.
Dilma Rousseff, às vésperas do processo de impeachment, em abril de 2016, estava um pouco melhor do que Michel Temer. Tinha 13% de aprovação e 63% de reprovação.

Até 17 de maio último, o presidente tinha 9% de aprovação. Mas depois despencou de vez quando veio à tona a gravação da conversa dele com o empresário Joesley Batista, supostamente dado aval à “compra do silêncio” do ex-deputado Eduardo Cunha para evitar que ele faça também “delação premiada”.

A pesquisa constatou também que 65% dos brasileiros acreditam que a renúncia seria “o melhor” para o Brasil, enquanto 30% são a favor de sua permanência no cargo.

A renúncia é defendida por 76% dos brasileiros com mais de 16 anos, enquanto 20% são contra e 4% não souberam ou não quiseram responder a pesquisa.

Caso o presidente não renuncie, 81% dos entrevistados acham que ele deve responder a um processo de impeachment. Por outro lado, 83% dos brasileiros defendem a realização de “diretas já”, ao passo que apenas12% defendem o processo indireto.
Na hipótese de o presidente ser afastado do cargo, a Constituição estabelece que o Congresso deve escolher o seu substituto, por eleição indireta, no prazo de 30 dias.

A pesquisa do Datafolha foi realizada entre quarta (21) e sexta-feira (23) da semana passada com 2.771 questionários e a margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro