5 de dezembro de 2020 às 10h33min - Por Mário Flávio
Tudo parado durante o isolamento social na região central de Brasilia, superquadras e cemitério de Taguatinga. Sérgio Lima/Poder360 10.04.2020

Do Poder 360

A história real da pandemia de coronavírus no Brasil mostra que o país teve seu maior pico de mortes em maio, registrou um leve recuo em junho, teve nova alta em julho e depois a curva começou a recuar até o final de outubro. Em novembro, o ritmo de queda parou. Pior: agora em dezembro os dados preliminares mostram que pode vir outro repique neste final de 2020.

Esses são os dados verdadeiros da pandemia e se referem às datas reais das mortes por covid-19.

O que os veículos de comunicação mostram diariamente, nas TVs e neste jornal digital Poder360, é o que se chama de média móvel de mortes anunciadas. Mas os anúncios não indicam exatamente quando cada pessoa morreu.

As datas reais de mortes por covid-19 são sempre conhecidas com algum atraso. Mas só essa informação conta uma história mais completa e bem diferente dos gráficos com médias móveis. O Poder360 fez uma compilação dessas estatísticas e descobriu uma grande diferença nas curvas de médias móveis de óbitos em comparação com a trajetória das mortes anotadas nas datas reais de ocorrência. Eis os 2 gráficos:

A trajetória segundo as mortes por data de notificação

A narrativa que emerge ao analisar as notificações diárias de mortes pelo Ministério da Saúde (1º gráfico) é a seguinte:

  • 17.mar – a 1ª morte é divulgada;
  • 4.jun –a 1ª vez que a média de mortes em 7 dias ultrapassa 1.000 registros diários;
  • 14.jul a 23.jul– os 10 piores dias da pandemia, com média de 1.125 mortes por dia;
  • 29.julho – pico de 1.595 mortes em 24 horas;
  • junho a 22.ago – a média se mantém próxima a 1.000 registros diários, em quase 3 meses de platô;
  • 23.ago a 3.dez – queda na média de mortes pela covid-19. Desde 23 de agosto, a média móvel (de 7 dias) não ultrapassou 1.000 mortes;
  • 23.ago a 11.nov – queda na média móvel. Em 11 de novembro, a média móvel atinge seu menor índice desde abril. Foi de 324;
  • 12.nov a 3.dez – média móvel volta a crescer, mas não ultrapassa a marca de 600 mortes.

Ou seja, por esse registro, a pandemia passou a se agravar em junho, com o pior período em julho. Os altos números de média acima de 1.000 mortes diárias se repetiriam até 22 de agosto para, só então, iniciar uma curva descendente.

A narrativa acima passa uma noção imprecisa do que aconteceu.  Como se verá abaixo, os piores momentos da pandemia começaram e terminaram antes.

A trajetória pelas mortes por data real de ocorrência

Eis o que é possível saber sobre a trajetória da doença ao analisar os dados de mortes pela data em que elas realmente ocorreram (2º gráfico).

  • 12.mar – a primeira morte;
  • março a maio – rápida elevação dos óbitos;
  • 13.mai a 22.mai – os piores 10 dias da pandemia, com média diária de mortes de 1.116;
  • 22.mai – dia em que mais pessoas morreram pela covid-19 no Brasil. Foram 1.169 óbitos;
  • junho – leve recuo nos óbitos. De 7 de junho a 11 de julho, as mortes diárias não passaram de 1.000. Os 10 dias com menos óbitos dessa fase foram de 25 junho a 4 de julho, quando a média diária de mortes foi 916. Isso aparece como um “mini-vale” no gráfico acima;
  • 12.jul a 21.jul – a curva de número de mortes por data de ocorrência volta a ter leve elevação. Em 21 de julho, 1.034 pessoas morreram pela doença. 
  • agosto a outubro: percebe-se a queda nas mortes por covid-19. Em nenhum dia o número de mortes ultrapassou 1.000;
  • 17.out a novembro – estabilidade. A partir de 17 de outubro, os números ficaram na casa dos 300. Em novembro, a média de mortes, até o momento, foi de 309. Os dados ainda serão atualizados e há indíciosde que possa haver alta.

Eis agora uma comparação entre a média móvel dos dois tipos de dados. O de notificação de mortes e o dos óbitos por data real:

Ao olhar para as mortes na data em que realmente aconteceram,  observa-se que o ápice da pandemia até agora no Brasil foi em maio, mais de um mês antes dos piores dados apresentados pela imprensa na média móvel. O início da queda de mortalidade  também ocorreu mais de um mês antes. Nos dados compilados até agora, 25 de julho foi a última data com mais de 1.000 mortes diárias por data real de ocorrência, enquanto que em 30 de setembro a mídia noticiava o registro de 1.031 óbitos.

As datas reais dos óbitos são divulgadas em boletins epidemiológicos do Ministério da Saúde, mas podem ser informadas semanas ou meses depois da morte –dependem da capacidade operacional de milhares de secretarias municipais e estaduais de Saúde. Mas esses são os dados que contarão a história real da pandemia no futuro. O Poder360 procura publicar com frequência essas informações para que o leitor possa acompanhar a estatística.

A SITUAÇÃO ATUAL DA PANDEMIA

Ambas as estatísticas (por data de ocorrência e por data de registro) mostram que houve queda no número de mortes de agosto a outubro. A partir de 12 de novembro, a média móvel de 7 dias das notificações de óbito voltou a crescer. No último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, os dados de novembro pararam de cair. É comum nos boletins que os dados mais recentes de mortes por data real sejam menores, porque essas datas ainda não foram identificadas. Se esse padrão se mantiver, a tendência é que esteja havendo um novo repique de mortes no Brasil desde novembro.

Apesar da redução a partir de agosto, a média diária de notificações de óbitos em novembro foi 441, um número ainda altíssimo. É como se todos os dias caíssem 3 aviões 737-700 matando todos os passageiros.

Europa e os Estados Unidos já vivem claramente uma 2ª onda do vírus, batendo recordes de casos e de mortes.

O médico e pesquisador Marcio Sommer Bittencourt, do hospital Israelita Albert Einstein, afirma que 1 dos motivos para que segundas ondas ocorram é a sazonalidade da doença. “O vírus se transmite melhor no inverno, ele sobrevive melhor neste período, e as pessoas ficam mais fechadas e próximas“, declara.

No Brasil, segundo os dados por data real da morte, o pico de óbitos foi no outono. No início do inverno, as mortes começaram a reduzir, mas voltaram a crescer em julho, quando a estação se intensificou.

O conceito de 2ª onda é usado para definir a trajetória de doenças infecciosas transmissíveis por vias respiratórias. Bittencourt diz que não existe uma definição formal para o termo. “É um conceito subjetivo de avaliação do padrão da evolução dos óbitos ou número de casos“.

O fenômeno passa a ideia de uma 1ª onda –elevação no número de casos e mortes– seguido da redução ou do controle dos números da doença, e depois a chegada de uma 2ª onda –outra elevação de infectados e óbitos.

Cunha afirma que “nas localidades em que ainda não ocorreu a 2ª onda, quase certamente ela irá ocorrer”. Ele diz que esse fenômeno é comum quando o distanciamento físico é flexibilizado. “As pessoas perdem o medo, tem esse relaxamento e acaba tendo segundas ondas“, declara.

O infectologista afirma, no caso do Brasil, não se pode generalizar. Em países continentais como o Brasil é muito difícil a gente estabelecer se o país como um todo está tendo uma 2ª onda, ou se já acabou a 1ª onda”, declara. Diz que a pandemia impacta de forma diferente os territórios.

Segundo Bittencourt, o que aconteceu entre maio e julho no Brasil “foram primeiras ondas que chegaram em tempos diferentes em regiões diferentes do Brasil“. Para evitar o impacto de uma 2ª onda no país, ele afirma ser necessário continuar com as estratégias de combate ao vírus. Entre essas, cita o isolamento dos infectados por covid-19 e daqueles que tiveram contato com o doente, e o uso de máscaras e álcool gel.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro