6 de setembro de 2013 às 00h39min - Por Mário Flávio

20130906-003947.jpg

Em solenidade na Sede Provisória do Governo do Estado, no Centro de Convenções, o governador Eduardo Campos e o ministro de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Antônio Andrade, assinaram a Instrução Normativa que permitiu ao Estado a mudança do status sanitário e o fim da febre aftosa em Pernambuco.

“Para poder transitar com o nosso gado, existia um limitador, que era a exigência da quarentena para o animal que saísse do Nordeste na direção dos grandes centros consumidores. Ou seja, nossa pecuária praticamente tinha que ser vendida aqui mesmo. Na medida em que quebramos essa barreira, valorizamos a produção animal pernambucana e nordestina também. E o que é ainda mais relevante: no pós-estiagem, quando estamos precisando reconstruir a base produtiva da região”, explicou Eduardo.

Pernambuco obteve a melhor pontuação atribuída pelo Mapa nos 27 itens estabelecidos, somando 89 pontos. Após a conferência nacional, o desafio de Pernambuco será receber a chancela para comercializar fora do País. “O Brasil será um país estratégico para ajudar no provimento de alimentos, e sobretudo de proteínas, nesse cenário de crescimento populacional no Mundo. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), o País terá que triplicar a sua capacidade de produção, e Pernambuco quer fazer parte dessa missão humanística, que vai ajudar na diminuição de desigualdades que tanto nos agride ainda”, colocou o governador. “Em maio, receberemos o aval internacional para comercializar nosso produto”, garantiu a presidente da Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco (Adagro/PE), Edivânia Camelo.

De acordo com o ministro Antônio Andrade, a meta é declarar todo o Brasil livre de Febre Aftosa até 2015. “Pernambuco tem feito esse trabalho muito bem, e não terá nenhuma dificuldade de colocar na prática o que está no papel (sobre a normativa internacional). Pernambuco mostrou que está fazendo o dever de casa, e está fazendo muito bem”, reconheceu o ministro.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro