21 de março de 2013 às 14h25min - Por Mário Flávio

20130321-143943.jpg

O Sindicato dos Agentes Servidores do Sistema Penitenciários de Pernambuco se mostra bastante preocupado com o controle e garantia de segurança dos detentos da Penitenciária Juiz Plácido de Souza em Caruaru. O presidente do Sindicato, Nivaldo Júnior, destacou que não há condições para garantir a total segurança interna e acompanhamento dos presos, principalmente devido à superpopulação na unidade prisional.

No contexto

Detento encontrado morto dentro do presídio Juiz Plácido de Souza

Entidades apontam denúncias de maus tratos na Penitenciária de Caruaru

“Situação crítica, por conta da superpopulação, uma vez que a unidade comporta em torno de 400, já com ampliação, e hoje há 1400 detentos. É praticamente impossível controlar e manter segurança dos presos nessas condições, o que afeta o trabalho de segurança interna e de acompanhamento dos detentos ao fórum, nas audiências judiciais, além de efetuação de socorro e atendimento médico”, explicou Nivaldo.

Para o presidente do sindicato, os agentes penitenciários trabalham com medo, justamente por conta da superlotação na unidade. Ele reclama que atualmente há uma média de 6 ou 7 agentes por dia, para um universo de mais de mil detentos. A solução, na opinião do sindicalista, deveria ser a iniciativa do governo de Pernambuco para incluir o sistema penitenciário no Pacto pela Vida, com incremento no número de agentes penitenciários e aumento do número de vagas. Pelo que é estabelecido pelo Departamento Penitenciário Nacional, a proporção ideal seria de 1 agente para cada 5 presos. Para Nivaldo, como isso não é realidade em todo o estado de Pernambuco, muito menos em Caruaru, o que apontaria que não há possibilidades de ressocialização efetiva. A diretora da penitenciária, Cirlene Rocha, participará de entrevista no programa Conteúdo nesta sexta-feira (22), para falar sobre o assunto.

Confira a matéria completa no áudio abaixo


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro