23 de dezembro de 2015 às 17h00min - Por Mário Flávio

  
A oposição voltou a aumentar o tom das críticas contra o governo de Pernambuco. De acordo com a bancada na Assembleia, o Governo não conseguiu dar continuidade aos projetos que vinha obtendo êxitos nas gestões anteriores do PSB à frente do Estado. 

“A marca do Governo do Estado, nesse primeiro ano de gestão Paulo Câmara, foi de uma administração que decidiu terceirizar as ações e programas do Governo, colocando toda a responsabilidade nas costas do Governo Federal”, destacou o Silvio Costa Filho (PTB), fazendo um balanço da atuação da Bancada de Oposição e a visão desse primeiro ano do governo Paulo Câmara. Para o deputado, o governador repassou ações que ele deveria assumir pessoalmente, para secretários, como o Pacto pela Vida, e a gestão da saúde. 

A saúde e a segurança pública são outras áreas que serviram de efeito para as críticas da oposição. “Na área de segurança, estamos perdendo a batalha no combate à violência. Até a última sexta-feira (18), foram registrados mais de 3.713 assassinatos no Estado, 280 casos a mais do que todo o ano passado. Caminhamos para fechar 2015 com mais de 3.800 mortes, pior resultado desde 2009”, comparou.

Na a saúde, a Bancada de Oposição realizou uma série de visitas a UPAs e hospitais e o cenário encontrado foi de desalento. “Cirurgias cancelas por falta de insumos básicos, como gaze e esparadrapo, atrasos nos pagamentos às OSs que administram as unidades de saúde, recepções superlotadas, leitos de UTIs fechados e falta de medicamentos de uso continuo, como para o tratamento de câncer. E, num cenário em que precisamos de mais leitos para a população, por causa da epidemia de zika, dengue e chicungunha, encontramos equipamentos como as UPAs do Arruda e de Carpina fechadas, apesar de estarem prontas, porque o Estado está proibido de contratar os profissionais necessários por ter descumprido as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal. São estruturas de primeiro mundo, de terceiro mundo”, relatou.

Segundo Sílvio Costa Filho, na área de mobilidade, o Governo de Pernambuco encerra 2015 com os principais programas parados. “Se olhamos para o corredor Norte-Sul, constatamos que ele não avançou. O Leste-Oeste também está parado. Procuramos ações no programa de Navegabilidade do Capibaribe, mas também está tudo paralisado. Até mesmo a requalificação da BR-101, no contorno do Recife, cujos recursos estão depositados na Caixa Econômica, não conseguiu andar. Isso sem falar no Plano Cicloviário, que se limitou às ciclofaixas de fim de semana”, destacou o líder da Oposição. 

O líder da oposição subiu o tom contra a PPP da Arena Pernambuco, que segundo ele, continua consumindo recursos dos cofres estaduais. “Este ano já foram repassados mais de R$ 50 milhões para o empreendimento, apesar do quadro de restrições financeiras enfrentados. O Governo afirma aguardar um estudo encomendado à Fundação Getúlio Vargas (FGV) sobre a viabilidade do empreendimento, mas foge da responsabilidade de priorizar as despesas mais urgentes para a população, deslocando os recursos da Arena para a assistência à saúde”, reforçou.


Comentários



...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro