16 de abril de 2012 às 10h54min - Por Mário Flávio

Na pré-campanha de governador, em 2006, João Lyra Neto entrou no PDT com um objetivo pré-definido: detonar a candidatura de Armando Monteiro Neto, que aparecia em 3º lugar, com 8% nas pesquisas de intenção de votos. Já o socialista Eduardo Campos, recém saído do Ministério da Ciência e Tecnologia, amargava o 4º lugar na disputa com apenas 3%.

Aí, entrou em cena o demolidor de candidaturas, João Lyra Neto. Não sei se a mando de Eduardo ou por iniciativa própria, começou a tecer comentários depreciativos à candidatura de Armando, dizendo, João, que o PDT deveria apoiar Eduardo e não Armando. Isso, insistentemente na mídia.

Armando Monteiro caiu nas pesquisas, baixando seu percentual para 6%, o que fez com que desistisse da disputa, porque o PDT, partido de João Lyra e José Queiroz, já dava sinais de que não o apoiaria no pleito de governador, enfraquecendo-o. O resultado todos sabem: Eduardo convidou João Lyra para ser o seu vice, começou a crescer nas pesquisas e ganhou a eleição tendo Lyra como seu substituto eventual.

Agora João Lyra parece receber uma nova missão. O alvo de agora é o mesmo: a possível candidatura de Armando Monteiro ao governo do Estado, em 2014, mas que começa já, com as eleições municipais.

Cidades como Recife, Caruaru e Petrolina estão na mira do governador, pois nelas Armando não deve se fortalecer. O crescimento de João Paulo, em Recife, nem pensar. João Paulo tem uma forte proximidade com o senador Armando Monteiro e por isso Eduardo investe, com Maurício Rands, na completa desarticulação do PT, que poderá vir a ser um aliado de Armando no futuro.

Em Petrolina, do mesmo modo, o PT tem um candidato muito forte, o deputado Odacir Amorim, que lidera as pesquisas, mas que Eduardo articula para retirá-lo do páreo, fortalecendo a candidatura do filho do Ministro Fernando Bezerra Coelho, o candidato preferencial de Eduardo Campos ao governo de Pernambuco, em 2014.

E Caruaru? Aqui está a maior base eleitoral de Armando Monteiro no interior do Estado. Aqui o presidente estadual do PDT, José Queiroz, governa e é daqui o 1º suplente do senador Armando Monteiro, o empresário Douglas Cintra. Eduardo Campos não permitirá que Armando se fortaleça com a reeleição de José Queiroz. Nem pensar. Por esse motivo, o vice-governador foi escalado para DETONAR o companheiro de partido, José Queiroz, que é um forte aliado de Armando e quer que o senador do PTB vença as eleições de governador, em 2014, para que Douglas assuma o Senado da República.

João Lyra não está preocupado com a saúde do povo ou com os bairros abandonados da cidade, com as críticas que faz à administração do prefeito que ele ajudou a eleger e que inclusive tem grande parte do seu grupo político na prefeitura de Caruaru, como é o caso de Osório Chalegre, Aparecida Souza, José Pereira, André Alexey Lyra e o ex-secretário José Carlos Menezes, que passou um bom tempo no governo, destroçando a Feira da Sulanca. João Lyra Neto é tão culpado pela má administração, quanto José Queiroz o é. O fato de João Lyra estar atacando o companheiro de partido se remete ao ano de 2014, quando Eduardo Campos quer fazer cabelo, barba, bigode e deixar o hoje adversário, Armando Monteiro Neto, careca.

Até com Jarbas Vasconcelos, do PMDB, Eduardo está flertando. Fala-se que será de Jarbas a única vaga de senador, de 2014, quando Eduardo Campos deverá apoiar Fernando Bezerra para substituí-lo, no governo, não deixando nenhuma chance para Armando Monteiro e João Paulo, hoje, arqui-inimigos do governador.

João Lyra Neto está se notabilizando como um tarefeiro de primeira linha. É por isso que ele deu o mandato da filha Raquel nas mãos do governador, mesmo que isso significasse uma traição aos 31.000 eleitores de Caruaru, que elegeram Raquel deputada e assistiram estupefatos ela virar massa de modelar nas mãos do governador.

*Rivaldo Soares

Membro do Diretório Estadual do PMDB de Pernambuco.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro