6 de agosto de 2013 às 11h55min - Por Mário Flávio

O Brasil vive o melhor momento da sua história. Muitos são os avanços obtidos nesses 10 anos de governabilidade do PT a frente do país. Avançar ainda mais com programas e projetos estruturadores em todos os setores é o desafio para as próximas etapas. Sabemos que cada construção é preciso um tijolo de cada vez, não se constrói nada de um dia pra noite. Entre tantos bons resultados é preciso abrir os olhos para os novos desafios.

No contexto

Opinião – O Brasil mudou, resta a presidente – por Raffiê Dellon*

O que dizer de alguns números reais desses avanços: mais de 1 milhão de moradias foram entregues através do programa “Minha Casa Minha Vida”; fim da divida com FMI, inflação mais baixa dos últimos 50 anos; 4° pais do mundo em investimento estrangeiro, maior inclusão social da história do Brasil; taxa recorde de novos empregos com carteiras assinadas; 3 milhões de bolsas profissionalizantes; 32 mil escolas de tempo integral construídas; 41 mil bolsas para cursos no exterior; 16 novas universidades Federais construídas; mais de 300 escolas técnicas construídas; mais de 1 milhão de bolsas do PROUNE; ampliação e duplicação 7.500 km de rodovias; investimento de mais de 2 bilhões em Editais de contemplação de projetos culturais envolvendo programas voltados para políticas públicas de cultura no MINC; 19 milhões de novos empregos, o maior salário mínimo da história; acréscimo de 65% renda familiar; o país que mais reduziu o desemprego no mundo; 40 milhões brasileiros entraram na classe média, 36 milhões superaram a miséria, 1,69 milhões de famílias abriram mão do benefício do bolso família; criação de Ministérios com Políticas voltadas para as mulheres, negros, índios e um olhar diferenciado para os direitos humanos; programa “Vale cultura” facilitando a comprar de livros, ingressos para cinema, entre outros bens culturais, entre tantos outros milhares de ações já desenvolvida e outras tantas que até o final de 2014 vão saindo do papel para uma realidade ainda melhor.

A oposição brasileira é frágil, desarticulada por falta de líderes atuantes, e muito pegajosa na esfera de transparência, não aceitar o que está dando certo é uma maneira brutalmente irresponsável. Criticar é importante, sugerir novos caminhos também, agora ficar com discursos, sem credibilidade, com práticas ultrapassadas de oposição por oposição, é simplesmente usar o ridículo pra si mesmo.

Em recente matéria publicada pelo jovem Raffiê Dellon, vice-presidente Nacional da Juventude do PSDB, percebi que existe em seu texto uma fragilidade enorme em aceitar os avanços do Brasil no governo do PT, hora ele diz que a população está engessada, depois fala em falso moralismo, improvisação na maneira de governar e ainda relata dos encontros políticos da Presidenta Dilma com o ex-presidente Lula que por sinal é do PT, como se um líder não pudesse encontrar-se com o outro, a política é arte do diálogo amigo.

As vozes das ruas apontam pra essa realidade, o PT acordou essas vozes, o PT é fruto dos movimentos sociais, das associações de base, das discussões de colegiados, das políticas voltadas para as mulheres, e por um país mais justo. É por isso que o gigante acordou.

A classe política brasileira está precisando entender as vozes das ruas, existe um distanciamento do político com a sociedade, um movimento urgente, gritante, com muitas pautas interessantes, que precisam ser melhor compreendidas. Sem usar do modismo de ir pra ruas pra dizer que estava lá, eu prefiro a luta pelo social e levar minha bandeira partidária.

Quando o jovem Raffiê fala em crise, é preciso enxergar que o mundo vive uma crise financeira há décadas. Na Europa países como Espanha, Inglaterra, Portugal estão literalmente quebrados, no continente Africano o Egito vive uma crise infernal, no Oriente Médio a Líbia, Irã, palestina, Israel continuam a todo vapor se exterminando. Sem falar no baixo crescimento da economia do EUA, entre tantos outros países do mundo, que afetam diretamente da economia brasileira.

Não quero aqui dizer que no Brasil vivemos em um céu de brigadeiros e que tudo é uma maravilha, enfim estamos vendo um mundo girando e o poder capitalista sugando cada dia mais os nossos sonhos, matando as nossas tradições e globalizando os nossos costumes.

Cá entre nós Raffiê, eu estou achando que o PSDB Brasileiro vive uma crise de identidade, vive um dos piores momentos da sua história, vive uma espécie de ciúme político do PT. Lula é referência e credibilidade em todo mundo. O PT é o partido mais lembrado no Brasil e bem aprovado de todos os tempos, a Presidenta Dilma mantém sua fibra e não se curva ao que está errado e nem coloca em baixo do tapete, lixos e vícios que precisam ser tirados com velhas praticas da política do País. Sei lá, a falta de novos lideres no PSDB é notória, eles não conseguem harmonia entre si, como é que podem falar mal dos outros?

Sem fazer uma política de comparação do PT com PSDB, gostaria de abrir um amplo debate político para a sociedade entender que na vida nada se compara. Pra começar o debate, em todo pais o PT realiza eleições diretas com seus filiados pra eleger novos presidentes, membros da executiva e do diretório em cada município. E o PSDB TEM? O PT não funciona amadoramente, o PT tem vida própria funciona com reuniões periodicamente, discutindo e aprovando novas regras, sempre respeitando as diferenças e as decisões tomadas pela maioria. O PSDB aqui em Caruaru há quanto tempo realizou uma reunião e quais as decisões tomadas por seus dirigentes (se é que existe oxigênio para novos dirigentes)?

O companheiro Raffiê precisa responder para a sociedade, como integrante do PSDB, porque o ex-prefeito de São Paulo, José Serra, detona tanto o modelo político de gestão do atual governador Geraldo Alckmin, ambos do PSDB. Com essa crise de poder pelo poder, Serra fala em mudar de legenda e ancorar no PPS, partido em declínio no Brasil que tenta por qualquer custo buscar outra sigla pra “respirar politicamente”.

Raffiê, por falar em corrupção, como anda o processo do mensalão dos tucanos, ocorrido em 1998? Pra refrescar a memória dos esquecidos, esse esquema bilionário de lavagem de dinheiro público, aconteceu para montar a campanha do Governador Eduardo Azeredo do PSDB em Minas Gerais. Esse episódio no Brasil foi o “laboratório” do mensalão. As investigações atingem muita gente, inclusive hoje o Senador tucano do PSDB, AÉCIO NEVES, pré-candidato a presidência da república em 2014. Na época ele era o secretário do governo mineiro. Ainda tem a denúncia do MENSALÃO DA EDUCAÇÃO DO PSDB, feita pelo empresário do setor de educação o ex-prefeito de (GO), Ernani de Paula, dono da Universidade São Marcos, que denunciou ao ministério Público Estadual de São Paulo, um esquema beneficiando os políticos do PSDB com desviou de mais R$ 800 milhões para a distribuição de bolsas a alunos fantasmas. Segundo ele, de lá vem o caixa dois do PSDB nas eleições. Esse roubo a céu aberto teria sido implantado na gestão de Serra na prefeitura e levado ao Estado. É, amigo depois de tanta mídia brasileira sobre esses assuntos de MENSALÃO DO PSDB, depois de julgado, vai faltar cadeia, presídio pra muita gente envolvida.

E ainda tem mais coisa, é? Sim, eita! Quase que eu ia me esquecendo o episódio mais hilário na política brasileira dos últimos anos, o ex-presidente Nacional do PSDB, o Senador Sérgio Guerra afirmou: “Houve uma pequena confusão e eu errei meu voto na PEC 37”. Que peninha dele, que falta de maturidade política, que “inexperiência” com votação, não é?

É preciso, amigo Raffiê Dellon, ter respostas concretas sobre esses assuntos e outros mais que envolvem muitos políticos e militantes do PSDB.
Da próxima vez, amigo, tenta colocar um texto com mais clareza, apontado falhas reais na gestão do PT, deixa de lado o orgulho ferido das derrotas eleitorais para o PT em todos os níveis e alimenta o desejo de mudança e aprendizado para enxergar um novo caminho que as futuras gerações irão conhecer.

Termino esse texto sem intenção nenhuma de menosprezar, nem tão pouco quis ofender integrantes do PSDB, até porque tenho muitos amigos por lá, e respeito a todos, poderemos estar nesse momento em luares e posições políticas diferentes, mas nunca como inimigos pessoais.

Deixo aqui um pensamento do incansável líder religioso: “Ótimo que tua mão ajude o voo… mas que ela jamais se atreva tomar o lugar das asas” (Dom Hélder Câmara)

*Hérlon Cavalcanti é presidente interino do PT de Caruaru


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro