17 de abril de 2014 às 09h45min - Por Mário Flávio

Mais uma vez, como de praxe, na calada da noite, o Executivo local sai para mais um assassinato. Desta vez, a vítima foi um jovem senhor de 43 anos, 12 metros de altura, nascido em 1971, o grande e agora saudoso (in memorian) “Relógio da Matriz”. Fruto de uma visão reflexiva do competente Dr. Emanuel Leite, odontólogo e mais um desses amantes da República Federativa de Caruaru.

Quando pensamos que a prioridade da Prefeitura de Caruaru, na temática de mobilidade urbana para o centro, era, por exemplo, transformar a Rua Duque de Caxias num Calçadão para os pedestres, ou a proibição da circulação dos ônibus intermunicipais naquelas imediações, ou até mesma a implementação de uma ciclofaixa, não! A prioridade é o assassinato!

A importância do finado “Relógio da Matriz” era simbólico, dentro de um ambiente onde os valores culturais da nossa cidade, ou estão esquecidos, ou em processo de extinção/decomposição ou sendo tratados com desdém. Quem nunca parou nas proximidades do então cartão-postal da cidade para “confirmar” ou ajustar seus relógios?! Ele sempre observador, no coração da cidade, “pai do tempo”.

Não entrarei no mérito para saber se foi a “primeira grande ação” da nova Presidência da Fundação de Cultura, ou foi mais um desses pseudos lances da ilusionista e também finada Participação Social local. Também não quero nem imaginar uma gestão dessas administrando as pirâmides do Egito ou outros monumentos tradicionais pelo resto do mundo. Quer modernizar? Não existe nada mais moderno, do que a contemporização do que é antigo.

Ah, e quanto ao Dr. Leite? Foi parar na Delegacia Regional da Cidade, por desacato. Mas existe um desacato que ninguém pode fugir ou apagar, é o desacato à história! A nossa história!

*Raffiê Dellon é Presidente do PSDB de Caruaru.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro