18 de novembro de 2013 às 11h55min - Por Mário Flávio

Sim, foi depois do governo iniciado em 2003 que começou um novo tempo no Brasil. Isso não significa dizer, em minha opinião, que antes de Lula o país não prestava e passou a valer alguma coisa só depois dele. Cada gestor à seu tempo deixou marcas na história de nosso país, sendo boas ou ruins, perversas ou positivas. Enfim o PT chegou ao poder, mas não o tem, é uma gestão desde o início composta de ampla (muito ampla) aliança para tornar possível a governança.

Após 8 anos não dá para desconsiderar 14 milhões de empregos gerados; o salário mínimo com aumento real de 74% a mais que a inflação; mais de 12,6 milhões de famílias beneficiadas com o Bolsa Família; a estabilidade econômica consolidada; dívida externa eliminada e interna reduzida em 20 pontos; relação com FMI de devedor para credor, com reserva cambial de US$ 253 bilhões; sim, foi com o PT na gestão que as camadas mais pobres tiveram acesso a bens de consumo, cursos técnicos e formação superior.

Segmentos marginalizados avançaram em direitos e conquistas sociais e de cidadania; na Saúde itens como SAMU, UPA’s, Brasil Sorridente, CEOs, programa Farmácia Popular do Brasil; na educação ampliação de investimento em 3,6 vezes mais; expansão do Ensino Superior Federal; na Cultura os investimentos passaram de 0,2% para 1%, quadruplicando o orçamento do Ministério da Cultura, houve descentralização das Ações Culturais; a criação do Sistema Único de Assistência Social (Suas).

O Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), 6,6 milhões de lares passaram a ser ligados à rede de esgotos, a Política Nacional de Habitação, destinando 70% da moradia para as camadas mais pobres;aumento de 22% no crédito rural. Consolidação dos espaços de cidadania através das Conferências, Fóruns e Conselhos garantindo participação social nas decisões da gestão.

E AS PUNIÇÕES?
Foi no governo PT, ao longo desses dez anos, que 2.599 agentes públicos do executivo Federal foram expulsos por envolvimento em práticas ilícitas; 34,44% destes por utilização do cargo para obter vantagens, 19,14% por improbidade administrativa e 6,255 por recebimento de propina.

Foi neste governo que vi notícias de que a Polícia Federal prendeu juízes, delegados, como nas diversas operações, entre elas a Satiagraha contra o desvio de verbas públicas, corrupção e lavagem de dinheiro (2004) que prendeu banqueiros, diretores de bancos e investidores, ou a que combateu a sonegação fiscal, Operação Narciso, que prendeu a empresária dona da loja DASLU, seu irmão (ambos tiveram pena de 94 anos e seis meses) junto com mais sete empresários e donos de importadoras.

Os dados dão conta que de Lula para Dilma isso diminuiu, Entre 2006 e 2011, a Polícia Federal prendeu de 2.500 a 2.800 pessoas por ano. No primeiro ano do governo Dilma, em 2011, esse número caiu para 2.089 prisões. Em 2012, foram 1.660 e, em 2013, já ultrapassando a metade do ano, foram registradas 604 até o momento.

O MENSALÃO COMO FICA?
Já vimos falar sobre o Mensalão Tucano (PSDB) escândalo de peculato e lavagem de dinheiro que ocorreu na campanha para a eleição de Eduardo Azeredo (PSDB-MG) – um dos fundadores, e presidente do PSDB nacional; o Mensalão do DEM do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda, figuram na lista de 37 denunciados pelo Ministério Público o vice-governador Paulo Octávio Pereira, dez deputados e ex-parlamentares, secretários de Estado e autoridades.

Há mais de um ano o ministro relator transformou o inquérito criminal 650 na ação penal 707, tornando os acusados formalmente em réus. Eles responderão pelos crimes de corrupção – ativa e passiva -, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Arruda disse ao ser preso em 2009 que “ainda não apareceu nem metade da missa”. O mesmo Arruda, agora solto, se filiou recentemente ao PR e vai disputar eleição em 2014, ano em que o processo será reaberto. O Supremo Tribunal Federal encaminhou mais de 20 réus Mensalão do PT (AP 470) ao cumprimento da pena, mesmo que alguns ainda tenham direito a recursos e que haja falhas técnicas.

Joaquim Barbosa afirma que o dinheiro para a compra de votos do Congresso veio do Banco do Brasil, por intermédio de seu diretor de marketing, Henrique Pizzolato (foragido), já o jornalista Raimundo Pereira (Retrato do Brasil) desmonta a tese e prova que o dinheiro alegado veio do fundo Visanet, não era público e fora usado para pagar eventos e compra de mídias em veículos como Globo e outras emissoras, revistas e jornais que acusavam os “mensaleiros”. Mais isso tudo é muito confuso, por isso lá na frente entenderemos melhor as intenções do ilustre Joaquim.

Até entendo que a maioria cometeu crime de caixa 2 para financiamento de campanha, mas, cá prá nós, alguém aí arrisca dizer qual político não se utilizou de esquemas condenáveis para arrecadar recursos? Muitos ainda se perguntam como o PT foi tão ingênuo ao usar o mesmo esquema viciado de financiamento ilegal de campanha criado pelos tucanos mineiros?

Por fim, eu mesmo não acreditava que Lula fosse eleito em 2002 e, se eleito não deixariam assumir, e mais, se assumisse não permaneceria no cargo por muito tempo. Eu sempre me perguntei se valeu à pena toda essa articulação para garantir a governabilidade. Houve avanços significativos como os citados no início, mas a cultura da corrupção não conseguimos extirpar. Valeu?

QUEM DERA MEU DEUS QUEM DERA…
Sim, como canta Alceu, que essa maldita prática da corrupção tão enraizada na nossa cultura capitalista de levar vantagem em tudo levasse TODOS que fossem pegos e comprovadamente culpados à prisão. Até quando vão continuar desviando verbas de seu destino para uso próprio?

Alguém aí sabe me dizer por onde anda Daniel Dantas? Alguém sabe me dizer por que as operações Santiagra, Faktor e Castelos de Areia foram desativadas? Como vai ficar a situação do ex-prefeito de Campinas Dr. Hélio (PDT) e sua esposa Rosely? Quando veremos um Sarney na cadeia? Quando veremos atrás das grades o presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, deputado José Riva, considerado o maior corrupto brasileiro, réu em mais de uma centena de processos nos âmbitos cível e criminal?

Não perco a esperança, mas não consigo ser otimista, enquanto o povo não escolher melhor seus representantes e, enquanto a justiça não alcançar a todos vai ficar na mesma. Aqui mesmo, onde vivo, continuo vendo a injustiça prosperar. Não tenho por enquanto o que comemorar, cabe mais agora em meus lábios as palavras de Jó “Se grito: É injustiça! Não obtenho resposta; clamo por socorro, todavia não há justiça. (Bíblia – Jó 19:7)

*Paulo Nailson é dirigente político com atuação em movimentos sociais e na Cultura. Membro da Articulação Agreste do Fórum de Reforma Urbana (FERU-PE) e Articulador Social do MTST. Edita a publicação cristã Presentia. Foi dirigente no PT municipal por mais de 10 anos.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro