21 de fevereiro de 2018 às 17h45min - Por Mário Flávio

Da Veja

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) admitiu nesta quarta-feira (21) que seu partido pode firmar alianças estaduais com o MDB nas eleições 2018. Em entrevista à rádio Itatiaia, de Belo Horizonte, o petista destacou as diferenças internas do partido, que descreveu como uma “federação de grupos regionais” e que não teria sido inteiramente favorável ao impeachment da presidente Dilma Rousseff. Lula está na capital mineira para um evento de comemoração dos 38 anos de fundação do Partido dos Trabalhadores.

“Não existe essa de PMDB nunca mais, isso é bobagem. O PMDB em Minas Gerais é sustentáculo do governo do petista Fernando Pimentel, grande parte dele se colocou contra o impeachment da Dilma”, avaliou o ex-presidente. Lula também criticou quem diz que nunca irá abandonar seus princípios em função da construção de um projeto eleitoral viável. “Tenho que construir uma aliança que me permita fazer isso melhorar a vida do povo, senão serei o melhor candidato do mundo e não ganharei as eleições.”

Questionado a expectativa que tem quanto aos recursos apresentados por sua defesa no Tribunal Federal Regional da 4ª Região (TRF4) e no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar postergar a execução de sua prisão, Lula se disse “tranquilo” e que não começou a discutir “plano B ou C” porque acredita em sua absolvição.

Lula ainda teceu elogios ao empresário mineiro Josué Gomes da Silva, cotado para ser seu vice. Presidente da Coteminas, ele é filho do vice-presidente José Alencar. “Josué é pessoa extraordinária, filho de uma pessoa extraordinária. É um bom quadro”, afirmou, para depois contemporizar. “Quando chegar a hora de procurar um vice, vou procurar. Mas obviamente vice é somatória de interesses políticos, econômicos, sociais.”


Comentários



...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro