6 de janeiro de 2012 às 11h55min - Por Mário Flávio

O Partido dos Trabalhadores de Caruaru deve começar em fevereiro, mês em que completará 32 anos de fundação, as reuniões ordinárias do Diretório Municipal. Em pauta entre outras questões eleições 2012.

A direção do partido agendará na sequencia a Convenção Municipal quando serão definidos quais os candidatos a proporcional e a confirmação da legenda ou não na Frente Popular. Mesmo havendo resistência de alguns ao que tudo indica o partido permanece com a frente e não lança candidatura própria.

Na proporcional ao longo desta semana o Blog de AaZ já nos trouxe um panorama inicial das discussões.

Aguarda-se a posição dos filiados mais recentes e com maior estrutura, José Carlos Meneses e Eduardo Guerra que oficialmente ainda não confirmaram sequer pré-candidatura.

Existem outros petistas com caminho mais longo na legenda e militância mais enraizada como o professor Djair Vasconcelos, com militância em movimento social, sindical e cultural, e José Carlos Silva, presidente do Sindicato dos Feirantes e Vendedores Ambulantes.

O PT ainda tem em seus quadros nomes pouco divulgados na mídia mas com trabalho nas bases que são: Wilon Valença presidente da Companhia de Produção Agrícola de Normandia (MST), Beatriz Dias (Bia do PT) com atuação no setor cultural e social, Reginaldo Melo (meio ambiente, cultural e sociedade civil), Marquinhos Sassá (liderança comunitária) e outros que ainda podem surgir.

Caso a ex-secretária da mulher, Louíse Caroline não volte a trás de sua decisão de não candidatar-se o seu grupo fará uma avaliação e decidirá quem apoiar.

A tendência capitaneada por Rogério Meneses, ainda campo majoritário, já declarou desde o ano passado que fica com Hérlon.

Muita água ainda vai rolar até o dia da eleição e a Convenção da Frente Popular.

Os filiados podem e devem participar das reuniões do diretório ajudando a fomentar o debate.

Todos pré-candidatos precisam ser respeitados e considerados. Espera-se que também tenham o mesmo tratamento dispensado aos considerados de maior visibilidade e que fatores econômicos que ditam as regras no universo capitalista não predominem no partido que defende o socialismo.

 

FÉ QUE DESEMBOCA EM AÇÃO NO MUNDO

O padre italiano Vito Miracapillo, expulso do Brasil pelo regime militar revelou em entrevista não guardar rancor pela sua expulsão do país e que atuar no Brasil é sua missão religiosa. Ao ser questionado sobre como se sentiu ao ser expulso do país, Miracapillo respondeu que foi como a morte.

Vito foi expulso durante o regime militar, após decreto assinado pelo então presidente João Baptista Figueiredo, com base no Estatuto do Estrangeiro. A acusação era de que se recusou a celebrar uma missa em homenagem ao Dia da Independência, na cidade de Ribeirão, Mata Sul de Pernambuco, por não considerar o Brasil um país livre. Por conta disso, o então deputado estadual Severino Cavalcanti pediu sua expulsão ao governo militar.

 

A PRAÇA É DO POVO COMO O CÉU É DO CONDOR

A Academia das Cidades tem sido um espaço onde a população tem de fato sido beneficiada através das diversas atividades desenvolvidas ali sob o comando de Fágner Fernandes.

A prefeitura tem recuperado as praças, mas ainda faltam muitas para receberem melhoramentos e voltarem a ser espaço sonhado pelo poeta Castro Alves em seu poema O Povo no Poder.
UM ALERTA

“Duvido que nos tempos mais próximos as idéias socialistas tenham qualquer oportunidade.”
José Saramago – Escritor português


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro