15 de outubro de 2013 às 11h46min - Por Mário Flávio

O Procurador-geral de Justiça, Aguinaldo Fenelon de Barros, decretou luto oficial por três dias, em face da morte do promotor de Justiça Thiago Faria Soares, nesta segunda-feira (14). O promotor de Justiça foi brutalmente assassinado quando dirigia seu veículo em direção ao município de Itaíba (Agreste Meridional), onde exercia suas funções ministeriais. O Ministério Público de Pernambuco está indignado diante de tão graves fatos contra um membro da Instituição e que atingem a todos os seus integrantes.

Crimes como este, quando praticados contra um membro do Ministério Público ― instituição que tem como atribuição constitucional a defesa dos direitos humanos, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis ― ou contra qualquer outro agente de Estado, além de violar o direito à vida, atingem o próprio Estado Democrático de Direito.

A Procuradoria Geral de Justiça e o Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) do Ministério Público de Pernambuco já estão trabalhando junto com a Secretaria de Defesa Social, especialmente por meio do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil, na elucidação do crime.

Thiago tomou posse no cargo de promotor de Justiça, em 17 de dezembro do ano passado. Na ocasião, foi orador do grupo de novos promotores nomeados, tendo expressado que estava realizando “o sonho de ser promotor de Justiça, acalentado desde que havia ingressado na Faculdade de Direito”. Lamentavelmente, o sonho do jovem colega foi bruscamente interrompido pela covardia dos que o assassinaram de forma tão violenta e brutal.

Sobrenome Godoy Magalhães – Thiago Faria Godoy Magalhães era o nome de casado, da família da ex-mulher do promotor de Justiça. Thiago encontrava-se já divorciado e voltou a usar o sobrenome Faria Soares.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro