23 de janeiro de 2012 às 12h02min - Por Mário Flávio

Segue tenso o clima entre a diretoria do Moda Center Santa Cruz com o deputado federal e ex-sindico do empreendimento, José Augusto Maia. A diretoria da entidade, enviou nota de repúdio com duras críticas ao deputado. Eis a nota.

NOTA DE REPÚDIO

A Diretoria do Moda Center Santa Cruz, vem a público declarar o seu profundo repúdio, em face das mentiras proferidas pelos dois ex-síndicos do Condomínio, durante programa radiofônico, veiculado no último dia 14 de janeiro de 2012, na Rádio Polo FM.

No intuito de colocar a opinião pública contra os atuais diretores do parque, o ex-síndico e deputado federal, José Augusto Maia, movido pelo desejo de recolocar seu grupo político no comando do Moda Center, além de disparar mentiras através da rádio, redigiu uma nota à imprensa, tentando manchar a moral de 25 homens de bem que ora ocupam a diretoria do parque, desempenhando um excelente trabalho, jamais visto em toda a existência do condomínio.

Quanto ao que foi dito na Polo FM, cuja família Maia é sócia majoritária, a nossa assessoria jurídica, solicitou o uso de Direito de Resposta, para ser exercido no programa em questão, o que foi negado pelo diretor da emissora. O mesmo alegou que, embora não tenha ouvido o programa, tal solicitação não deveria ter sido feita à rádio, já que o “Polo em Debate” não faz parte da grade oficial da emissora.

Informamos que estamos entrando na Justiça a fim de que seja concedida a mesma quantidade de tempo, algo em torno de 36 minutos, quando os ex-síndicos e locutores de suas pré-campanhas, teceram seus infelizes comentários.

Ao ex-síndico, que sequer é condômino do Moda Center, o nosso repúdio por tentar, de forma irresponsável, denegrir a imagem das pessoas de bem que dirigem o maior patrimônio da nossa cidade. Dizer que o Moda Center agora está um caos, é, no mínimo, um desatino, visto que, além de várias relações obscuras da sua gestão, os buracos do asfalto eram tapados com terra e não com massa asfáltica; havia um matagal na parte frontal; não havia linhas dividindo as vagas dos estacionamentos, ou seja, uma desordem que dificultava o trânsito no parque; não havia guaritas de segurança;

Até uma pequena chuva provocava alagamentos no Moda Center, pois não havia parede de contenção das águas; não havia câmeras de segurança; havia uma grande incidência de roubos, furtos e até assaltos; não havia Posto Ambulatorial com duas enfermeiras de plantão nos dias de feira; os carrinhos dos ambulantes não tinham um padrão e muitos deles trabalhavam sem coletes; o gerador de energia não funcionava; eram comuns os blackouts durante as grandes feiras, o que levou a administração a investir no conserto da usina de energia e na aquisição de novas lâmpadas mais econômicas, gerando mais eficiência no serviço e uma redução de mais de 30% na conta de energia elétrica.

Havia uma grande escuridão nos estacionamentos frontais do Moda Center. Hoje, tudo está iluminado, aumentando a segurança dos veículos e das pessoas. Também na parte frontal do parque, o cartão de visita eram as barracas da Feira do Paraguai, que era taxada pela prefeitura, mas que quem pagava a conta de energia era o Moda Center. No lugar, construímos o Centro Administrativo, aparelhamos e colocamos em pleno funcionamento, Centro esse que deveria estar funcionando há vários anos.

A administração anterior mais parecia um quartel, onde as pessoas tinham medo de reclamar seus direitos. O corpo colaborativo era pouco valorizado. Não havia capacitação para os colaboradores, orientação psicológica, nem diálogo; não havia sequer uma confraternização de fim de ano.

Os favorecimentos eram muito comuns. Alugava-se de tudo, desde automóveis a impressoras, mantendo vários apadrinhamentos políticos. Tudo o que antes era alugado, a nova administração está adquirindo. São equipamentos que estão formando um patrimônio sólido para o condomínio.  Já adquirimos Trator, Caminhão Caçamba para a coleta e transporte de lixo, 4 Motocicletas para o patrulhamento, Impressoras e todos os móveis e aparelhos necessários ao funcionamento adequado de todo o Moda Center.

Algumas pessoas questionam o porquê da atual diretoria não ter divulgado os vários sinistros encontrados ao assumir o parque. Informamos que isso não faz parte do nosso modelo de gestão. Preferimos trabalhar a usar ‘politicamente’ os desmandos encontrados. Isso geraria uma conotação política, algo que não queremos para a nossa administração. Entretanto, mediante o show de mentiras divulgado, somos obrigados a revelar algumas situações encontradas.

Apenas para se ter uma ideia, ao assumir, encontramos várias lojas sem medidores de energia. E quem pagava a conta? Os condôminos. Ao assumir a administração, o nome do Moda Center estava sujo, com vários títulos protestados em cartório. Como pode o ex-síndico dizer que deixou o Moda Center enxuto, sem dívidas, e com um saldo de R$ 130.000,00 na conta, quando, além dos títulos protestados, somente com a Rede Globo, havia um débito a vencer de R$ 400,000,00. Hoje, o Moda Center está com o nome limpo e equilibrando suas finanças.

Nas gestões anteriores, os contratos, em sua maioria, eram mal elaborados, favorecendo unicamente os contratados, em detrimento do suor sagrado dos condôminos. Não se pensava em Segurança Orgânica, preferia-se contratar a fim de beneficiar partidários. Hoje, o Moda Center está prestes a implantar sua Segurança Orgânica, cujo alvará já foi expedido pela Polícia Federal.

Atualmente, o Moda Center paga aproximadamente R$ 50.000,00 mensais com as ações judiciais da antiga gestão e uma assessoria jurídica contratada para tentar reduzir o prejuízo deixado. Por correr em segredo de justiça, não podemos aqui expor os nomes das pessoas de confiança dos antigos gestores, algumas que “trabalhavam” sem contrato algum, mas que ao sair, entraram na justiça contra o Condomínio. Apenas um deles pediu uma indenização de 60 mil reais. Outro ex-funcionário, após as eleições do parque, chegou com um contrato retroativo assinado pelo síndico anterior que diz tanto amar o Moda Center. Fora a Ampla que briga na justiça por uma indenização de quase um milhão e meio de reais por um serviço que não foi prestado.

Em meio a tantos prejuízos deixados pela administração anterior, ainda assim, com muito esforço, conseguimos também mais um Cilindro de Gás; dois Caixas Eletrônicos; uma Casa Lotérica e tantas outras melhorias para o parque.

Na administração anterior não havia critérios para investimentos em Marketing. Gastava-se muito e o parque aparecia por tabela, visto que a mídia era focada na imagem de uma figura política, deixando em segundo plano a imagem do Moda Center. Quiseram gastar 400 mil reais em uma propaganda apenas no estado de Minas Gerais, quando conseguimos redirecionar essa mídia para todo o Brasil. Recentemente, a atual administração divulgou o Moda Center em 5 estados brasileiros, através da Rede Globo Nordeste, com um investimento de 70 mil, para um público de mais de 30 milhões de pessoas.

Ainda sobre as distorções no campo do marketing do Moda Center, o síndico anterior era adepto de megafestas no condomínio, sem foco algum em vendas, que é a finalidade do condomínio. Um detalhe interessante: se o evento apresentasse lucro, esse seria para o empresário escolhido pelo síndico. Se desse prejuízo, quem arcava com mais essa despesa era o parque, algo no mínimo absurdo.

O nobre deputado deveria se ocupar em colaborar com o Moda Center, cumprindo a sua promessa de trazer um terminal rodoviário que seria instalado na frente do Moda Center; se engajar na luta para que a Compesa destine uma tubulação exclusiva para o Condomínio, ou isso o senhor só poderia cumprir se fosse ou tivesse um dos seus como síndico? E o mandato que o povo de Santa Cruz lhe deu? Pra que serve?

O senhor, que se diz tão defensor do parque, deveria somar, mas ao contrário, planta e semeia a discórdia e a distorção da realidade. Temos plena convicção de que sua nota não condiz com a realidade, pois, diante do que temos feito, recebemos constantes elogios dos nossos visitantes e manifestações de agradecimento por parte dos condôminos.

O senhor, que ocupa um cargo de grande influência em nosso país, que recebe até 14º Salário, entre tantos outros privilégios, custando aos cofres da união mais de R$ 100.000,00 mensais, deveria nos ajudar a divulgar de forma positiva o Moda Center. Esse show de inverdades faz exatamente o contrário. O que um cliente de outro estado, que está objetivando conhecer o Moda Center, pensaria se lesse a nota infame divulgada pelo nobre deputado? Ele viria comprar no Moda Center?

Faça como a atual diretoria, divulgue o Moda Center de forma positiva; some e valorize o Condomínio. Num país que cresce pouco e que teve um ano difícil como o de 2011, o nosso parque, fruto de muito trabalho e de uma divulgação focada, registrou as maiores feiras de sua História. Tal fato talvez tenha incomodado as pessoas que torcem pelo contrário. Se esse foi um dos motivos da sua nota, só nos resta lamentar por um ato tão pequeno.

Quanto a auditoria feita nos documentos de sua gestão, esclarecemos que foram gastos 16 mil reais, e não 90 mil, e os resultados foram divulgados em assembleia. Entretanto, se assim for o seu desejo, podemos divulgar na imprensa o que os auditores encontraram e o que a cada dia ainda estamos encontrando.

Gostaríamos de que esses senhores utilizassem a emissora de rádio para dizer a população, especialmente aos condôminos, para onde foi o dinheiro da venda dos 192 boxes da expansão do Moda Center, algo em torno de 4 milhões de reais nos dias de hoje.

Ao invés de plantar mentiras, os ex-gestores deveriam responder, e responder com verdade, a tantas indagações que restaram em razão das suas administrações passadas, e que ainda hoje geram grandes prejuízos para o condomínio.

Quanto a acusação do ex-síndico Ernesto Maia, de que a atual diretoria tem a prática de realizar assembleias em datas inadequadas para os condôminos, temos a consciência tranquila de que sempre as realizamos nos dias mais oportunos para todos, diferentemente das assembleias das gestões anteriores, que eram realizadas no apagar das luzes e às vésperas de Carnaval, com o objetivo de aprovar o aumento na taxa de condomínio.

Finalizando, a atual diretoria gostaria de manifestar de forma veemente a sua indignação e o repúdio a essa conduta dos ex-síndicos do condomínio, em especial a do deputado autor da nota.

Reiteramos o compromisso em sempre melhorar o Moda Center e incrementar suas atividades, mediante a execução de obras de infraestrutura e de serviços para os nossos condôminos, clientes e colaboradores, cumprindo o nosso compromisso maior que é o de desenvolver, de modo sustentável, a querida Santa Cruz do Capibaribe e o Estado de Pernambuco.

Estamos voltados para os verdadeiros interesses da coletividade, ao contrário dessas pessoas que se dizem compromissadas, mas que, na prática, atuam somente na busca da viabilização dos seus interesses pessoais e políticos.

Vamos todos continuar lutando para superar as dificuldades e engrandecer ainda mais o MODA CENTER SANTA CRUZ, pois esse equipamento não pertence a nenhum de nós individualmente, mas a todos que trabalham pelo empreendimento, pela nossa cidade e pela nossa região.

Santa Cruz do Capibaribe, 23 de janeiro de 2012.
Diretoria do Moda Center Santa Cruz


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro