1 de outubro de 2013 às 14h25min - Por Mário Flávio

screen_shot_2013-10-01_at_8_16_51_amDo G1 Caruaru

As condições estruturais e de atendimento nas unidades de saúde de Caruaru, no Agreste pernambucano, estão sendo analisadas durante uma vistoria feita pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE). Nesta segunda-feira (30) foi realizada uma visita na Casa de Saúde Bom Jesus.

A equipe da promotoria de Saúde percorreu todos os setores do hospital e recebeu explicações da secretária de saúde, Aparecida Souza. De acordo com o promotor de Justiça, Paulo Augusto, o objetivo foi inspecionar a estrutura física da unidade. “Nós constatamos que realmente os levantamentos feitos no relatório da Vigilância Sanitária procedem, sobretudo relacionados à problemas de gestão. Percebemos por exemplo, algumas tampas de lixeiras abertas, algumas questões da própria estrutura que é antiga e funciona em um prédio alugado. Há a indicação de que a unidade vai ser remanejada daqui a seis meses para um outro local, mas precisamos de uma resposta imediata por parte do gestor para que se evite a possibilidade de pessoas virem a ter alguma intercorrência por bactérias ou infecções”, afirma.

A necessidade de visitar a Casa de Saúde Bom Jesus decorre das denúncias sobre os casos de morte de uma gestante e três bebês e também sobre reclamações sobre o atendimento prestado. A última queixa foi registrada no mês de setembro. A costureira Atília Regina da Silva recebeu alta após uma cesariana e começou a sentir dores na barriga. Após realizar um exame de ultrassonografia em uma clínica particular, ela descobriu que tinha restos da placenta no útero.

Em julho, a gestante Talita Andreza Silva, de 27 anos, estava com mais de 40 semanas de gestação e pretendia ter o filho por meio de um parto cesariano, mas não foi o que aconteceu. O parto foi normal e após complicações, a jovem morreu. No mesmo mês, Rejane da Silva, de 36 anos, perdeu a filha. Os exames de ultrassonografia teriam indicado que pela posição do bebê o parto deveria ser cesáreo.

Outro caso de morte de recém nascido aconteceu também no último mês. Desta vez a vítima foi a filha de Larissa Santiago. A adolescente tinha dado entrada dias antes com fortes dores, pressão alta e não sentia a criança mexer.

A secretária de Saúde do município, informou que sobre esses casos ocorridos na Casa de Saúde, as investigações continuam. “O resultado dos primeiros casos investigados devem ser divulgados no mês de outubro e as investigações assim que forem concluídas vão dar um norte do que precisa ser feito. O resultado dessas investigações é que vão dizer as possíveis falhas e as interferências que vamos ter que tomar para que essas situações não voltem a acontecer”, disse.

De acordo com a coordenadora de Assistência Especializada, Salete Jordão, a reabertura da Unidade de Tratamento Intensivo que conta com sete leitos vai poder dar suporte no atendimento. O local foi reinaugurado nesta segunda-feira, após cinco meses fechado. “Essa UTI será regulada pela Central de Leitos do estado e está equipada para receber pacientes críticos que precisam de uma segurança na sua assistência.”

O promotor de Justiça disse ainda que quem tiver alguma queixa pode fazer a denúncia. “Se algum cidadão achar que o atendimento foi inadequado pode comparecer a promotoria de saúde e prestar as devidas informações que tudo será apurado”.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro