14 de novembro de 2016 às 07h11min - Por Mário Flávio

O Ministério Público Federal (MPF) suspeita que mais de 870 mil beneficiários do programa Bolsa Família participem do programa de forma irregular. Por isso, o MPF expediu recomendações a 4.703 prefeituras para que ela investiguem se o beneficio pode estar em nome de pessoas mortas, servidores públicos, empresários e doadores de campanha com indicativos de renda incompatíveis com o perfil de pobreza ou extrema pobreza exigido pelas normas do Bolsa Família.

As recomendações foram expedidas em todo o país no período de julho a setembro deste ano, com prazo de 60 a 120 dias para que os gestores municipais informassem o número de irregularidades confirmadas e de benefícios cancelados. Os casos suspeitos foram identificados por meio de ferramenta de inteligência desenvolvida pelo Ministério Público Federal a partir do cruzamento de dados públicos fornecidos pelo próprio Governo Federal, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pela Receita Federal e pelos Tribunais de Contas estaduais e municipais.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro