25 de abril de 2014 às 08h29min - Por Mário Flávio

20140425-083014.jpg

Da Folha de Pernambuco

Após participar de uma reunião para discutir pautas de reivindicação dos policias militares, o governador de Pernambuco, João Lyra, afirmou em entrevista, nesta quinta-feira, que não pretende negociar ganhos salariais para a PM por cumprir valores de aumento previstos em um acordo firmado no ano de 2007. Insatisfeitos com a atual situação, os profissionais programaram uma passeata no Recife, nesta sexta-feira, a partir das 13h30. Segundo Joel da Harpa, um dos organizadores do movimento, a expectativa é que o número de participantes no ato chegue a 10 mil. Após as cenas de violência registradas em Salvador, que recentemente acompanhou a paralisação de policiais, o temor de uma possível greve dos militares em Pernambuco já começa a rondar a cidade.

Depois da afirmação do gestor estadual sobre o encerramento das negociações, um dos integrantes da organização da passeata, que preferiu não se identificar, criticou a posição do Governo e afirmou que os policiais consideram o acordo de 2007 como ilegítimo, por ter sido firmado com um representante da categoria eleito de forma fraudulenta. Além disso, a tensão entre os profissionais e a gestão do Estado, além da possibilidade de uma greve da PM ser decretada já nesta sexta-feira (25), aumentaram após as declarações do governador.

Segundo a fonte do Portal FolhaPE, o acordo que o governador se referiu nesta manhã foi firmado com a antiga presidência da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar (PM) e do Corpo de Bombeiros (CB). Gestão que não representava os anseios da PM e foi deposta, através do processo de n°0072594-10.2013.8, promovido pela 29° Vara Civil da Capital, por ter sido eleita de forma fraudulenta. “Esse acordo não é válido para a tropa, pois foi feito por um falso representante destituído e que, legitimamente, não nos representava. Então, se a eleição não foi legítima, e nossa tropa enganada no processo eleitoral, o acordo não vale”, afirmou a fonte.

Nesta sexta-feira (25), às 13h30, os policiais realizam uma passeata até o prédio da Assembleia Legislativa do Estado (Alepe), com saída do Memorial de Medicina do bairro do Derby, para solicitar ajuda dos parlamentares da casa. “Estivemos nesta quinta-feira na Alepe, onde pleiteamos a criação de uma comissão que irá receber a tropa, nesta sexta-feira. Elaboramos a pauta de reivindicações, que será entregue aos parlamentares”, informou Joel da Harpa, um dos líderes do movimento. Em entrevista ao Portal FolhaPE, ele não quis adiantar sobre a possibilidade de greve já nesta sexta-feira.

No entanto, segundo informações de outras lideranças do movimento, a pauta com as reivindicações será apresentada à categoria, que analisará as propostas. “Dependendo da forma como a tropa receber as propostas, uma greve pode ser decretada sim. É a tropa quem vai decidir pela paralisação, a depender também da quantidade de policiais que participarem da passeata. Tudo isso será resolvido na hora”, informou a fonte. De acordo com informações extra-oficiais, policiais que demonstraram apoio ao movimento, mas que não participarão do ato, já informaram que vão ficar aquartelados, a partir das 15h30, numa espécie de operação-padrão.

Uma das fontes do FolhaPE ligada ao movimento salienta qual o objetivo do ato. “Queremos dignidade para o serviço e estamos dispostos a tudo. Faremos uma mobilização pacífica, mas não estamos para brincadeira. Queremos melhores remunerações e condições de trabalho e, para isso, precisamos firmar um novo acordo com o governador e colocar uma nova liderança na Associação de Cabos e Soldados da PM e do CB”.

Interior – Lideranças do movimento informaram que dezenas de policiais militares do Interior do Estado já confirmaram participação na passeata, que acontece nesta sexta. Ônibus vindos de Garanhuns, Cabrobró e Petrolina já foram confirmados no ato. “Contaremos com a presença de PMs do Sertão e também do Agreste”, disse Joel da Harpa.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro