26 de fevereiro de 2013 às 11h55min - Por Mário Flávio

20130223-004326.jpg

O livro TERRA DE CARUARU, do escritor caruaruense José Condé, em sua 6ª edição, rememorativa aos 40 anos da morte do seu autor, foi adotado como paradidático em turmas do ensino médio de três instituições de ensino de Caruaru – Colégios: Sagrado Coração, Alternativo e Antenor Simões. A obra foi reeditada pelo escritor Walmiré Dimeron.

O historiador comemora a inserção do romance nas escolas da cidade. “Sempre tive em mente que esse livro é um instrumento de reverência não apenas a memória do seu autor, mas também ao legado dos irmãos Condé, grandes figuras que ao longo da vida mantiveram sempre fortes os laços vitais com sua terra natal, divulgando e projetando nossos valores culturais, a exemplo, a obra do Mestre Vitalino. Escolhemos Terra de Caruaru por se tratar de um ícone da nossa identidade cultural, que permanece no inconsciente coletivo dos caruaruenses e é obra indispensável aos que se dedicam a compreender nosso passado” disse.

Essa nova edição além de promover o reencontro do autor com gerações saudosistas – amigos e velhos admiradores da obra do “Romancista de Caruaru”, que o conheceram e o estão rememorando é também dedicada aos leitores do futuro convidados que serão a conhecer sua terra de maneira surpreendentemente bela e as salas de aula de Caruaru constituem o ambiente ideal para esse feito. “ Espero que outras unidades de ensino também sigam o exemplo, não apenas da rede particular, mas, também, e, principalmente, as redes públicas municipal e estadual”, pontuou.

Outro aspecto interessante a se destacar é que o livro já se encontra em boa parte das bibliotecas brasileiras e, por iniciativa do advogado Jan Grunberg, consta também no acervo da Biblioteca de Yale, nos estados Unidos. “A obra de Condé também está sendo discutida no meio universitário, sendo tema de três trabalhos acadêmicos”, comemora Dimeron.

O LIVRO – Clássico nacional, Terra de Caruaru é o principal livro do caruaruense JOSÉ CONDÉ, responsável pela projeção e o definitivo ingresso do seu autor no seleto grupo que revolucionou a moderna literatura brasileira, composto por nomes como Jorge Amado, José Lins do Rêgo, Guimarães Rosa, Manuel Bandeira, José Américo, dentre outros.

É um romance ambientado nos anos 20, na cidade natal do escritor, e no dizer do renomado crítico literário Otto Maria Carpeaux: de um passado meio vivido, meio sonhado. Trata dos conflitos gerados durante a transição do mundo rural, tradicional, violento, para a cidade, o progresso que todos esperavam. Traça um panorama do cotidiano das cidades do interior nordestino, onde coronéis, prostitutas, cangaceiros, sonhadores, boêmios e outros tipos populares desfilam ante o leitor, compondo um dos mais fascinantes enredos da literatura ficcional.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro