6 de fevereiro de 2012 às 09h00min - Por Mário Flávio

Na semana passada o secretário Executivo de Relações Institucionais, Eduardo Gerra (PT), concedeu entrevistas sobre a entrada de Reginaldo França (PMDB) no governo de Zé Queiroz (PDT). Ele falou em nome do Chefe do Executivo e fez uma comparação esdrúxula para justificar a ida do ex-secretário das gestões Tony Gel e Neguinho para a base do governo. Ele citou os exemplos de Miguel Arraes e Eduardo Campos, que fizeram ajustes no governo para acumular forças.

O blog ouviu aliados do prefeito Zé Queiroz e os mesmos aceitam, mas seguem sem engolir a nomeação de França. Alguns vereadores dizem que perderam a força de criticar o governo, principalmente sobre a questão do famoso rombo de 80 milhões, alardeado desde o início da atual gestão. “Como iremos falar desse assunto se o braço de direito de Tony Gel está no governo”, disse. A ida de Reginaldo França é justificada por Eduardo Guerra como acúmulo de forças. Por essa perspectiva o secretário tem razão, afinal se o PMDB ficar com ele, são minutos preciosos no guia. Caso o PMDB fique na oposição, a ida de França só gera insatisfação na Frente Popular.

Aliados reclamam das comparações de Eduardo Guerra


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro