21 de dezembro de 2012 às 21h10min - Por Mário Flávio

Prefeito e vice-governador garantem que divergências foram pontuais

Durante a confraternização do vice-governador João Lyra (PDT) e da deputada Raquel Lyra (PSB), na noite desta sexta-feira (21), em Caruaru, sobrou tempo para um breve pinga-fogo dos jornalistas presentes com João e o prefeito reeleito no município, Zé Queiroz (PDT). Os dois colegas de partido passaram a impressão de que selaram a paz depois dos eventos de divergência durante a campanha de 2012, que culminaram na publicação da carta do vice-governador, em que ele e Raquel demonstravam o desejo de não subir no palanque de reeleição de Queiroz. Uma vitória e alguns eventos em conjunto depois, os dois agora falam de união da Frente Popular para 2014 e garantem que as diferenças são insignificantes.

No contexto

João e Raquel realizam confraternização e reúnem políticos da Frente Popular

Sucessão em Caruaru: um no ataque e outro na defesa

João, por exemplo, atestou que o resultado da eleição era o que Caruaru precisava. “Eu acho que resultado de eleição veio confirmar uma avaliação política que nós fazíamos, o povo de Caruaru decidiu avançar ainda mais, não permitindo que políticas que representem retrocessos possam voltar a dirigir o destino de Caruaru. Eu acho que o prefeito Zé Queiroz representa isso, apesar de nossas avaliações, em determinados momentos, negativas e em outros, positivas; mas isso faz parte do amadurecimento político e nós estamos prontos para trabalhar juntos para que Caruaru receba o melhor que for dos governos estadual e federal e para que tenha o melhor do governo municipal”, ponderou o vice, que foi complementado por Queiroz.

“Acho que é assim que a gente deve construir e fazer pontos em política, é uma satisfação estar aqui ao lado de João e de Raquel, fazendo com que a gente dê um bom exemplo para Caruaru. Vocês esquecem dos eventos, eu estava com João na inauguração do Sesc, por exemplo, quando estivemos lado a lado. Depende do momento, o que interessa agora é a paz de espírito. Eu já disse que os pontos divergentes são infinitamente inferiores às linhas de convergência da história e da política, da história nossa em Caruaru e da política de Eduardo Campos”, reforçou o prefeito.

E para João, as divergências políticas acabam se confundindo, em alguns aspectos, com as próprias diferenças em família, o que pra ele, termina em reconciliação. “Não é só a política que é feita de gestos, nossas vidas são feitas assim, com nossa família e amigos. Na política, há uma relação institucional, profissional, mas há muita relação de amizade. Há divergências como nós temos nas nossas famílias. O Natal propicia esse momento de superar as divergências”, completou.

 


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro