4 de dezembro de 2013 às 09h34min - Por Mário Flávio

20131204-093416.jpg

Durante o discurso feito na Câmara Municipal de Caruaru, o vereador Jajá (PPS) chamou a atenção dos demais parlamentares para a necessidade de refletirem sobre o voto que será dado aos projetos encaminhados pela Prefeitura de Caruaru a Casa Jornalista José Carlos Florêncio. O parlamentar chamou a atenção para o fato de muitos desses projetos terem chegado à Câmara na quinta-feira (28), e de que não houve tempo hábil para análise de todos eles.

“Recebi alguns projetos na sexta-feira à tarde, em um CD, e resolvi imprimi-los, para facilitar a leitura. Foram impressas mais de mil páginas, somente de três ou quatro projetos que estão sendo votados na noite desta terça-feira (3). Agora, como é que poderemos votá-los sem que todos os vereadores tenham tido tempo para ler o material?”, afirmou na tribuna.

E voltou a comparar a iniciativa do Poder Executivo de encaminhar projetos para serem votados na Casa “às pressas”, ao que aconteceu com o projeto do Plano de Cargas e Carreiras (PCC) dos professores vinculados à rede municipal de ensino. “O projeto foi aprovado no dia 31 de janeiro deste ano, e repercutiu não somente pela insatisfação dos professores que argumentam terem sido prejudicados com as mudanças impostas por ele, mas também com as declarações de alguns dos parlamentares, que afirmaram terem votado na proposta sem conhecimento do conteúdo. Não quero cometer o mesmo erro que cometi da votação do PCC. Não vou votar a favor de algo que não tenho conhecimento do conteúdo”, reforçou Jajá.

O posicionamento dele recebeu o apoio do também oposicionista Louro do Juá (PS), que pediu um aparte para reforçar a comparação feita com a data. “Que possamos não reviver aquele dia, quando muitos vereadores que não tiveram tempo de ler o projeto. Que os que não concordam com as propostas que estão sendo votadas hoje, possam dizer não”, indicou.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro