16 de agosto de 2013 às 09h25min - Por Mário Flávio
Foto Diogenes Barbosa (3)

Entre ironias e provocações, Jajá defendeu requerimento de Evandro Silva – Foto: Diogenes Barbosa/ AI

Mais uma vez, o vereador Jajá (PPS) roubou a cena na reunião da Câmara Municipal de Caruaru. Na reunião dessa quinta (15) à noite, ele resolveu aliviar o estresse em meio às discussões sobre o pedido de CPI da CGU. Na verdade, seu discurso pareceu mais um stand up. “É tanta coisa acontecendo, rodízio em escolas, protesto dos professores, dos médicos, dos feirantes, irregularidades apontadas pela CGU… Que daqui a pouco vamos lançar o filme Caruaru em Pânico”, ironizou. Enquanto isso, professores da rede municipal de ensino que protestavam no plenário caíam na risada.

No contexto

MPPE dá parecer favorável sobre prescrição de processo de 2005 contra Jajá

Jajá: “Eu quero ver alguém conseguir uma prova contra mim”

Ele continuou com as provocações à gestão municipal: “Eu já vi rodízio de pizza, rodízio de churrasco, agora rodízio de alunos nunca vi na minha vida”. Essa foi uma referência sobre as dificuldades que a Secretaria Municipal de Educação enfrente com a estrutura da Escola Municipal Cristina Tavares, que não comporta mais todos os alunos.

Mas, ele também criticou a falta de adesão ao requerimento do vereador Evandro Silva (PMDB), que sugere a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para averiguar as falhas de uso de verbas federais pela prefeitura de Caruaru, constatadas em relatório da Controladoria Geral da União (CGU).

“O que não pode é um projeto tão simples como este estar sendo motivo de desconforto aqui na Câmara. Quem não deve, não teme. Se realmente não há nenhuma irregularidade, então que os vereadores da base apoiem a iniciativa, para que tudo seja esclarecido para a população”, argumentou.

O próprio Evandro adiou a votação do requerimento, pois só conseguiu 6 assinaturas para o pedido, quando precisaria de 8. Entre os vereadores da base do governo, o argumento é de que o relatório já apresenta da dos com respostas da prefeitura e tréplicas da própria CGU e que, a falta de punições administrativas desde 2011, comprovaria que não há problemas graves, ainda que haja 2 processos em tramitação no Ministério Público Federal sobre os dados do relatório.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro