11 de dezembro de 2020 às 08h51min - Por Mário Flávio
Presidente Jair Bolsonaro participa da cerimônia de comemoração dos 54 anos da EMBRATUR, que contou com a participação do cantor Amado Batista. Sérgio Lima/Poder360 17.11.2020

novo ministro do Turismo, Gilson Machado, disse nesta 5ª feira (10.dez.2020) que o “setor não aguenta um 2º lockdown”. Segundo ele, o país está “em plena recuperação” por meio do retomada de voos e a redução do desemprego na área. A declaração foi dada em entrevista à CNN Brasil.

Machado, ex-presidente da Embratur, exaltou a gestão de seu antecessor, o agora deputado Marcelo Álvaro Antônio. Disse que o turismo estava “bombando” antes da pandemia da covid-19 e que faturou aproximadamente 8% do PIB (Produto Interno Bruto).

Elogiou também a desobrigação de visto para estrangeiros de países com potencial turístico, como Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália. “O Brasil quebrou a ideologia dos passaportes”, afirmou o ministro, que disse que o país perdeu bilhões de reais para o Caribe devido à obrigatoriedade de vistos.

Sobre a demissão de Álvaro Antônio, o novo ministro negou que tenha havido um desentendimento no 1º escalão do governo, motivo apontado para a queda do pesselista, que teria batido de frente com o ministro Eduardo Ramos (Secretaria de Governo). “Desconheço briga por espaço no poder. Não presenciei isso”, declarou Gilson Machado.

“Nosso governo é o que tem menos conflitos internos. Estamos completando 2 anos sem corrupção. Sem ministros presos ou polícia federal batendo na porta”, completou o chefe da pasta de Turismo.

Questionado se assumira o ministério como uma espécie interino, Gilson rebateu e disse que a utilização da pasta como moeda de troca não existe neste governo.

“Se tivesse moeda de troca, que estaria sentado aqui era políticos e não eu”, encerrou o mais novo ministro do governo Bolsonaro, que depois participou da live do presidente no Facebook.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro