21 de dezembro de 2017 às 17h00min - Por Mário Flávio

Oito meses depois de ter sido cassado, o ex-governador do Amazonas José Melo (Pros) foi preso pela Polícia Federal nesta quinta-feira (21/12). A decisão ainda não foi divulgada, mas o Ministério Público Federal afirma existirem “fortes indícios” de que ele tenha recebido propina e participado de desvios na área da saúde.

A Justiça Federal no Amazonas determinou a prisão cautelar e assinou mandados de busca e apreensão em sete imóveis residenciais e comerciais da região metropolitana de Manaus.

Segundo o MPF, a suspeita é de que foram desviados pelo menos R$ 50 milhões em recursos públicos por meio de contratos com organizações não-governamentais selecionadas para administrar estabelecimentos públicos de saúde no Amazonas.

A acusação usa como base relatório fornecido pelo Ministério da Fazenda sinalizando que a movimentação financeira do ex-governador era incompatível com sua renda. Além disso, nota técnica do Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) concluiu que José Melo comprou um imóvel avaliado em cerca de R$ 7 milhões, além de ter reformado seu sítio.

O MPF afirma ainda que as investigações apontam que o ex-secretário estadual de Administração e irmão do ex-governador, Evandro Melo, atuou como uma espécie de intermediário entre José Melo e um médico e empresário. Evandro Melo foi preso no dia 13 de dezembro.

Melo deixou o governo do Amazonas em maio, depois que o Tribunal Superior Eleitoral concluiu que houve compra de votos em 2014, quando tentava a reeleição. Por maioria (5 a 2), o Plenário entendeu que um “conjunto robusto de circunstâncias” indica que Melo tinha, pelo menos, conhecimento de esquema praticado dentro do comitê de campanha. Com informações da Agência Brasil.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro