16 de agosto de 2013 às 12h55min - Por Mário Flávio

Desde o início desta semana estudantes do Campus da UPE em Caruaru estão protestando contra a redução das vagas e verbas que foi decidida pelo Conselho Universitário da universidade, em 2012, sob justificativa de direcionar mais recursos para outros campi. Representantes do Centro Acadêmico de Administração promoveram assembleias com a presença de representantes de diferentes instituições, da União dos Estudantes Secundaristas de Caruaru e entraram em contato até com membros da prefeitura municipal. Nesta sexta (16), eles encerram um luto simbólico pela redução.

No contexto

Vice-reitor da UPE pede paciência e diz que Caruaru terá novo Campus e mais professores em breve

Os estudantes também vão elaborar uma nota de repúdio à reitoria do campus a ao próprio DCE da instituição, que devem ser entregues ainda nesta sexta. Segundo o presidente da União dos Estudantes Secundaristas de Caruaru, Gleison Rodrigues, a redução afeta diretamente estudantes do Ensino Médio. “Quem se forma no Ensino Médio vai encontrar menos vagas na hora de prestar vestibular para essa instituição pública, é um problema que afeta diretamente o corpo estudantil de Caruaru e região”, justificou. A mobilização também recebeu apoio do Centro Acadêmico de Pedagogia – Erton Cabral, do campus da UFPE em Caruaru, e da Juventude do PT de Caruaru.

Os estudantes chegaram até a pedir apoio da prefeitura municipal, através da assessoria de Participação Social. Estudante de Administração na UPE, Maria Isabel, do terceiro período, explicou que é preciso abrir canais de diálogo. “Embora a pauta não seja municipal, buscou-se a prefeitura pela possibilidade de estabelecer diálogo com o poder público e, através da Prefeitura, abrir canais com governantes e parlamentares da cidade que se importam com a consolidação da UPE em Caruaru. É a forma que encontramos para levar nossas pautas às autoridades”, defendeu.

Os problemas envolvendo a infraestrutura acadêmica no Campus da UPE em Caruaru não são novidade. Desde o ano passado, estudantes tentam dialogar uma série de reivindicações junto à reitoria, além da própria redução de verbas e vagas, o que inclui também a cobrança pela construção de sede própria, aquisição de material atualizado e abertura de concurso para preenchimento de vagas de professores.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro