23 de maio de 2012 às 23h19min - Por Mário Flávio

O prefeito disse que até o fim da vida não briga mais com João. No entanto, o relacionamento entre ambos segue estremecido. Imagem: Paulo Roberto/BMF

O diálogo entre João Lyra e Zé Queiroz, ambos do PDT, a cada dia que se passa fica cada vez mais difícil de acontecer. As duas lideranças não baixam a guarda e seguem articulando com imtegrantes dos partidos da Frente Popular. No fim de semana, o vice-governador conversou com lideranças do PCdoB, PT e até com o vereador Diogo Cantarelli, do PSDB.

O prefeito Zé Queiroz também segue articulando e já manteve conversas com a maioria dos presidentes de partidos da Frente Popular. Até em Brasília o pedetista fez contatos. Diante do afastamento de ambos fica a pergunta: como explicar ao eleitor no início da campanha a distância entre ambos?

Os estragos desse “gelo” podem ter efeitos nefastos na campanha desse ano e tal situação lembra muito João da Costa e João Paulo, no Recife. Mas em Caruaru a situação é pior, afinal não temos aqui o segundo turno. O encontro dos dois foi anunciado faz duas semanas, mas pelo jeito só deve acontecer mesmo as vésperas da convenção.

Diante da complicada situação há quem diga que João não sobe de jeito nenhum no palanque e que se o fizer, não vai entrar de cabeça na campanha. Segundo aliados mais próximos do prefeito Queiroz, o mesmo já trabalha com essa hipótese. A oposição assiste a tudo de camarote, já tem a tática definida e o desgaste entre os dois líderes será muito usado na campanha desse ano.


Comentários



...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro