6 de janeiro de 2014 às 22h45min - Por Mário Flávio

20140106-224448.jpg

Por Conceição Ricarte

Foi enterrado na tarde desta segunda-feira (06), o corpo da advogada Severina Natalícia da Silva, que estava desaparecida desde o dia 05 de dezembro, quando foi vista pela última vez enquanto chegava a casa onde morava em Encruzilhada de São João, distrito do município de Bezerros.

O corpo da advogada foi velado no prédio onde ela residia às margens da BR-232. Muitas pessoas compareceram ao local para se despedir da advogada, entre elas, o presidente da OAB/PE, Pedro Henrique Reynaldo, o presidente da OAB/Caruaru, Almério Abílio da Silva, o presidente da OAB/Olinda, Clóvis Bastos, o presidente da OAB/Santa Cruz do Capibaribe, Eraldo César, vários advogados de Recife, Caruaru e região, além de funcionários e alunos do Colégio Nicanor Souto Maior, onde ela era vice-diretora.

Uma bandeira da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) foi colocada em cima do caixão. Os parentes e amigos usaram camisas com a imagem da advogada e o pedido de justiça. Algumas faixas com mensagens foram colocadas na fachada da casa dela e também nas residências vizinhas. O enterro aconteceu, por volta das 17h30, sobre forte emoção de familiares, amigos, advogados e professores. O pequeno distrito de Encruzilhada de São João simplesmente parou para acompanhar o cortejo e enterro de Severina Natalícia.

“A advocacia está de luto, os diretos humanos ameaçados, mas àqueles que pensam que calaram a voz de Severina Natalícia estão enganados, pois terão que calar a voz de toda uma entidade. A advocacia pernambucana vai buscar justiça”, disse o presidente da OAB/Caruaru, Almério Abílio da Silva.

Investigações – Em coletiva de imprensa realizada no início da tarde de hoje (06), na sede da OAB/Caruaru, a Polícia Civil confirmou que o corpo encontrado em Água Preta, Mata Sul do estado, era de Severina Natalícia e divulgou informações do caso, como a linha de investigação que estava sendo seguida. Através de denúncias anônimas, foram analisados um carro carbonizado e uma busca, com ajuda do Corpo de Bombeiros, na Barragem do Prata e em um açude em Barra de Guabiraba, mas nada foi encontrado e o carro não tinha ligação com o caso.

No dia 23 de dezembro, a Polícia foi informada de um corpo carbonizado encontrado em Água Preta. Após encontrar o local onde o corpo teria sido descoberto, foi feita uma busca com o objetivo de encontrar algum vestígio que pudesse identificar a vítima ou levasse aos autores do crime. Foram encontradas a sandália e o anel de formatura que foram reconhecidos pela família da vítima. Logo em seguida foi feita a análise da arcada dentária da vítima, onde se confirmou sendo de Severina Natalícia. Um exame de DNA também foi feito e três projéteis foram encontrados próximos ao local onde o corpo estava.

De acordo com o delegado Bruno Vital, responsável pelo caso, as investigações ocorrem sob segredo de justiça, duas equipes estão trabalhando no caso e em 30 dias o inquérito deverá ser concluído. “A partir de agora, as diligências focarão em colecionar provas em função de encontrar aqueles que cometeram esse crime”, disse o delegado.

Exercício da profissão – Apesar do delegado ainda não confirmar, tudo indica que o assassinato de Severina Natalícia aconteceu no exercício da profissão. A advogada Maria Helena dos Santos, membro da diretoria da OAB/Caruaru ressaltou os últimos casos envolvendo profissionais do Direito. “Nos últimos tempos, o crime está batendo às portas do Judiciário. Tivemos recentemente a morte de um promotor, temos agora de uma profissional advogada em plena militância, o que muito nos entristece. Ela deixou um legado de profissionalismo, de ética, cumpriu com o dever dela”.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro