12 de fevereiro de 2013 às 10h55min - Por Mário Flávio

20130212-105751.jpg

O governador Eduardo Campos (PSB) prestigiou na noite de ontem a tradicional e emocionante Noite dos Tambores Silenciosos, no Pátio do Terço. A cerimônia, que reúne 25 nações de maracatu de baque virado, é o momento para agradecer a todo o legado deixado pelos ancestrais africanos. O evento é dirigido por Tatá Raminho de Oxossi, babalorixá do terreiro de Oxum Opará, localizado em Olinda, Grande Recife. No camarote, estavam ainda o cantor e compositor Lenine e o homenageado do Carnaval do Recife, o percussionista Naná Vasconcelos.

Encantado com a cerimônia, Eduardo destacou que os tambores “falam alto”. “Falam alto porque falam da discriminação e da grande dívida que o Brasil tem com o povo africano, que nos ajudou a construir essa nação extraordinária que é a nossa. Estou muito feliz por estar aqui para poder aplaudir a cultura afro de Pernambuco, que fez tanto pela cultura de nosso Estado e que tem o reconhecimento do nosso povo e do nosso governo”, afirmou.

Eduardo disse ainda que o evento deve contribuir para assegurar o fim das “marcas” do preconceito, da desigualdade e da discriminação. “Precisamos vencê-los ainda no século XXI”, cravou. Tereza de Oia, filha de Tatá Raminho de Oshossi, parabenizou a iniciativa do governador de prestigiar e valorizar a cultura afro-brasileira. “É uma religião tão forte e tão verdadeira dentro do Brasil. Fico feliz não só pela presença dele, mas pela referência que ele é, e também pela reverência em relação ao culto que foi feito”, disse, com um largo sorriso no rosto.


Comentários



...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro