29 de agosto de 2018 às 11h01min - Por Mário Flávio

Por Inaldo Sampaio

Paulo Câmara e Armando Monteiro confrontaram-se ontem na Rádio Jornal e expuseram os seus pontos de vista sobre os principais problemas de Pernambuco. Cada um explicou o que propõe para as áreas de educação, saúde, segurança pública, infraestrutura, criação de empregos, etc. Mas ficou fora do debate o maior problema do Estado, na atualidade, que é o déficit previdenciário.

Segundo cálculos do professor e ex-secretário da Fazenda, Jorge Jatobá, o déficit em 2017 foi de R$ 2,3 bilhões, uma vez e meia do que o Estado destinou para investimentos naquele exercício. Esses recursos saíram do tesouro para pagar a folha dos aposentados e pensionistas.

E como a despesa cresce mais rápido do que a receita, esse déficit é equivalente a uma bomba relógio de efeito retardado. Não se sabe o que pensa o governador para enfrentar essa questão, caso consiga renovar o seu mandato, nem tampouco o senador que está disputando o governo pela segunda vez. Sabe-se que o problema é gravíssimo e que tem de ser enfrentado com urgência, sob pena de Pernambuco nivelar-se aos Estados do Rio de Janeiro, Minas e Rio Grande do Sul, que não conseguem sequer pagar a folha do seu pessoal.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro