23 de janeiro de 2021 às 14h25min - Por Mário Flávio

Do Poder 360

Os gráficos de médias móveis de mortes pelo coronavírus nos últimos 7 dias, publicados por toda a mídia (inclusive pelo Poder360), mostram o que é possível a cada 24 horas. Mas apenas as estatísticas de mortes pela data real de ocorrência é que podem relatar a história verdadeira da pandemia de coronavírus no país.

Neste momento, o que esses dados indicam é que houve aumento de óbitos em dezembro e em janeiro, só que o pico continua sendo em maio de 2020, quando o Brasil chegou a ter 1.177 vidas perdidas por covid-19 em apenas 24 horas.

O gráfico de mortes por data real tem um problema: seus dados são sempre defasados, pois muitas vezes demoram dias, semanas e até meses para que a informação seja confirmada. Neste momento, sabe-se com exatidão os dias em que 204.247 pessoas morreram por estarem contaminadas pelo coronavírus. Só que o Brasil já teve 215.243 óbitos registrados.

Ainda que tenha esse atraso, o gráfico de mortes por data real demonstra que a pandemia no Brasil teve seu momento mais agudo em maio de 2020. Em junho houve um leve arrefecimento. Em julho, deu-se o que pode ser considerada uma 2ª onda. Agora, o país passa pelo seu 3º momento de recrudescimento da crise sanitária.

É o que mostra o último boletim epidemiológico de coronavírus (16 MB) do Ministério da Saúde, divulgado nesta 6ª feira (22.jan.2021). Os dados do documento foram atualizados até as 12h de 18 de janeiro.

O Brasil teve mais vítimas por covid-19 com as datas de ocorrência da morte confirmadas em dezembro do que em novembro. Os números saltaram de 12.410 para 20.485 mortes.

A data real da morte pode demorar até 9 meses para ser confirmada, dessa forma, esses dados ainda serão atualizados. Até 18 de janeiro, 6.052 dos 210.299 óbitos registrados no país até essa data ainda não tinham as datas confirmadas. Os dados de janeiro ainda são preliminares e devem crescer nos próximos boletins que forem divulgados.

As datas das mortes que já foram confirmadas mostram que o Brasil teve seu maior pico de mortes em maio, registrou um leve recuo em junho, tendo uma nova alta em julho. Depois, a curva começou a recuar até o final de outubro. A partir de novembro, as mortes voltaram a crescer. A média diária de mortes com datas confirmadas em dezembro (661) foi superior a novembro (414) e outubro (423).

Esses são os dados verdadeiros da pandemia e se referem às datas reais das mortes por covid-19. O que os veículos de comunicação mostram diariamente, nas TVs e neste jornal digital Poder360, é o que se chama mortes por data de notificação. Mas os anúncios não indicam exatamente quando cada pessoa morreu. São as mortes que tiveram a causa confirmada como sendo pela covid-19.

A narrativa que emerge ao analisar as notificações diárias de mortes pelo Ministério da Saúde (2º gráfico) é a seguinte:

  • 17.mar – a 1ª morte é divulgada;
  • 4.jun –a 1ª vez que a média de mortes em 7 dias ultrapassa 1.000 registros diários;
  • 14.jul a 23.jul– os 10 piores dias da pandemia, com média de 1.125 mortes por dia;
  • 29.julho – pico de 1.595 mortes em 24 horas;
  • junho a 22.ago – a média se mantém próxima a 1.000 registros diários, em quase 3 meses de platô;
  • 23.ago a 3.dez – queda na média de mortes pela covid-19. Desde 23 de agosto, a média móvel (de 7 dias) não ultrapassou 1.000 mortes;
  • 23.ago a 11.nov – queda na média móvel. Em 11 de novembro, a média móvel atinge seu menor índice desde abril. Foi de 324;
  • 12.nov a janeiro – número de mortes volta a crescer, chegando a ultrapassar a marca de 1.000 mortes em 17 de dezembro.

Ou seja, por esse registro, a pandemia passou a se agravar em junho, com teve o pior período em julho. Os altos números de média acima de 1.000 mortes diárias se repetiriam até 22 de agosto para, só então, começar uma curva descendente, que foi interrompida em novembro. Em dezembro, a pandemia voltou a se intensificar. Próximo à virada do ano, o país registrou 1.194 mortes em 30 de dezembro.

O número de mortes seguiu crescendo em janeiro. No dia 7 deste mês, teve 1.524 mortes, o segundo pior número desde o começo da pandemia. Nos últimos 5 dias (de 19 a 22 de janeiro), o Brasil ultrapassou mil registros de mortes em todos esses dias.

A narrativa acima passa uma noção imprecisa do que aconteceu. Como se verá abaixo, os piores momentos da pandemia começaram e terminaram antes. Mas por ambos os indicadores, percebe-se o aumento de mortes a partir de novembro.

DATA REAL DA MORTE

As datas reais de mortes por covid-19 são sempre conhecidas com algum atraso. Mas só essa informação conta uma história mais completa e bem diferente dos gráficos com médias móveis.

Eis o que é possível saber sobre a trajetória da doença ao analisar os dados de mortes pela data em que elas realmente ocorreram (1º gráfico desta reportagem).

  • 12.mar – ocorre a 1ª morte;
  • março a maio – rápida elevação dos óbitos;
  • 13.mai a 22.mai – os piores 10 dias da pandemia, com média diária de mortes de 1.117;
  • 22.mai – dia em que mais pessoas morreram pela covid-19 no Brasil. Foram 1.177 óbitos;
  • junho a julho – leve recuo nos óbitos. De 11 de junho a 11 de julho, as mortes diárias não passaram de 1.000. Isso aparece como um “mini-vale” no gráfico acima;
  • 12.jul a 21.jul – a curva de número de mortes por data de ocorrência volta a ter leve elevação. Nesses dias, a média foi de 1.003 mortes. Em 21 de julho, 1.053 pessoas morreram pela doença.
  • agosto a outubro – percebe-se a queda nas mortes por covid-19. Em nenhum dia o número de mortes ultrapassou 1.000. A média de mortes em outubro foi de 423;
  • novembro a dezembro– mortes voltam a crescer. A média de mortes, até o momento, foi de 414 em novembro e de 661 em dezembro. Os dados ainda serão atualizados.

Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro