Danilo Cabral afirma que Fernando Bezerra Coelho mandou recursos do Orçamento Secreto para Petrolina durante gestão de Miguel

Lucas Medeiros - 13.09.2022 às 14:15h
(Imagem: Diego Nigro)

O candidato ao governo Danilo Cabral (PSB) ligou, mais uma vez, durante o debate da Rádio Jornal, nessa terça-feira (13), a candidata Marília Arraes (Solidariedade) ao Orçamento Secreto do governo federal. O socialista apontou que a aliada cadastrou R$ 3,6 milhões de recursos públicos sem qualquer tipo de transparência. Danilo questionou as faltas da candidata durante votações de pautas no Congresso Nacional, como a liberação de armas e refinanciamento de dívidas do FIES e se as ausências dela se deram em função de ter acessado os recursos. Os questionamentos a Marília também foram reforçados pelo postulante João Arnaldo (PSOL), que considerou o esquema como “o maior escândalo de corrupção do Brasil”.

Esse Orçamento Secreto é uma apropriação de um recurso que pertence ao povo brasileiro e está sendo distribuído de forma questionável para atender interesses de deputados. Há denúncias de uso para cooptação de parlamentares para aprovar propostas que são contra o povo brasileiro”, afirmou Danilo. “Eu fico indagando se foi por isso que Marília deixou de participar da votação do fura-fila da vacina, da votação do projeto de liberação de armas e do projeto de refinanciamento das dívidas do FIES dos estudantes. Ou seja, será que foi por isso que Marília deixou de votar tudo isso?“, questionou o socialista.

O candidato João Arnaldo aproveitou e destacou no debate que, em função da liberação de recursos no Orçamento Secreto, diversas políticas públicas federais estão sofrendo cortes no financiamento, a exemplo da Farmácia Popular e custeio da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). “Eu lamento a ausência dos candidatos aqui, seja o candidato de Bolsonaro, seja de Marília, que, nessa eleição, abandonou as origens da esquerda e se juntou com que tem de pior na direita. Eles [André de Paula e Sebastião Oliveira] votaram em todos os projetos de Bolsonaro no Congresso Nacional“, criticou o candidato do PSOL.

Durante o debate, Danilo também cobrou explicações ao adversário Miguel Coelho sobre o uso de recursos do Orçamento Secreto durante suas gestões em Petrolina, no Sertão. “O maior chaleira do governo Bolsonaro foi o pai dele, que foi líder do governo no Senado durante três anos. Não foi à toa que ele é o rei do ‘Orçamento Secreto’ e pegou mais de R$ 300 milhões, segundo o Jornal Folha de São Paulo. Explica isso aí e por que não gastou da maneira como deveria ter gastado. Pegou R$ 300 milhões e não investiu R$ 1 em saúde de Petrolina”, apontou Danilo.