17 de outubro de 2012 às 16h22min - Por Mário Flávio

Ainda falta mais de um mês para que o vereador eleito Jajá (PPS) seja diplomado pela justiça eleitoral. Homossexual assumido, o pós-comunista chegou a dizer que iria para a posse com um terno rosa ou lilás. Mesmo sendo apenas uma informação informal, alguns vereadores mais conservadores começam a tentar frear a ideia do futuro vereador.

Na sessão de ontem a noite, alguns procuraram Jajá e orientaram a ele de não usar de tal prática, já que para esses vereadores, se ele fizer, não vai ser visto com seriedade pelos demais colegas de casa. Sem dar muita importância ao fato, Jajá recuou na afirmação da cor do terno, mas deixou um ar de suspense. “Podem ter a certeza que vou preparar uma grande surpresa para o dia da diplomação”, garante.

Ao contrário de vereadores com pensamento retrógrado, que acham que a cor da roupa pode influenciar a visão das pessoas sobre uma pessoa, o vereador jovem e membro da comunidade GLBT, Cleyton Feitosa, vibrou com a possibilidade do uso do terno rosa. “Ia ser o máximo e não vejo nenhum problema nisso”, disse. Alguns vereadores questionaram a possibilidade de Jajá infringir ao Regimento Interno, caso ele use o terno rosa ou lilás, mas o documento diz que o vereador deve usar traje formal, mas não faz menção alguma a cor do terno.

Nesta quinta-feira o vereador eleito Jajá é o entrevistado do programa Conteúdo, a partir de 12h na Caruaru FM 104,9.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro